Guterres horrorizado pela "venda" de escravos africanos a 400 dólares

"Estas ações estão entre os abusos mais atrozes dos direitos humanos e podem configurar crimes contra a humanidade"

O secretário-geral da ONU, António Guterres, manifestou-se "horrorizado" pela suposta venda na Líbia de subsaarianos como escravos e exigiu investigação urgente para levar os responsáveis perante a justiça, para responderem por crimes contra a humanidade.

"A escravatura não tem espaço no nosso mundo. Estas ações estão entre os abusos mais atrozes dos direitos humanos e podem configurar crimes contra a humanidade", sublinhou Guterres, em reação às imagens exibidas pela estação televisiva norte-americana CNN de imigrantes subsaarianos na Líbia.

O documentário, transmitido na semana passada, revelava um mercado de escravos perto de Trípoli, capital da Líbia, através de imagens captadas por um telemóvel, quando decorria a venda de dois homens.

No som captado, ouve-se alguém afirmar que "os homens são vendidos por 1.200 dinares libaneses ou 400 dólares cada (339 euros, ao câmbio atual)".

Guterres pediu "a todas as autoridades competentes que investiguem estas atividades sem demora", além de ter comunicado a todo o pessoal das Nações Unidas que se encarregue "ativamente" deste assunto

No domingo, o vice-primeiro-ministro do governo líbio de união nacional anunciara a abertura de um inquérito.

O secretário-geral da ONU instou também a comunidade internacional a combater o tráfico de pessoas e pediu a todos os países para adotarem a convenção das Nações Unidas contra o crime transnacional organizado.

"Este caso também nos recorda a necessidade de responder aos fluxos migratórios de forma global e humana: através da cooperação para dar resposta às causas de raiz, com um aumento significativo das oportunidades de migração legal e uma maior cooperação internacional contra os contrabandistas e traficantes e para proteger os direitos das vítimas", salientou Guterres.

Depois da deposição do regime de Kadhafi, em 2011, os traficantes aproveitaram as deficiências na segurança e a completa impunidade na Líbia para aliciarem dezenas de milhares de pessoas para uma vida melhor, com a passagem para Itália, a 300 quilómetros da costa líbia.

O enviado especial da ONU para a Líbia, Ghassan Salamé, disse na sexta-feira, em entrevista à agência France Press, que o "Governo líbio não tem um exército ou polícia à disposição" e que "não se trata de má vontade mas mais de incapacidade" porque "não dispõe das ferramentas para governar".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.