Guilherme Figueiredo eleito bastonário da Ordem dos Advogados

Elina Fraga, atual bastonária, perdeu a eleição por 669 votos

Guilherme Figueiredo é o novo bastonário da Ordem dos Advogados. Os resultados da segunda volta das eleições, que decorreu ontem, foram publicados na manhã desta quarta-feira no portal da ordem: a lista H de Figueiredo conseguiu 9862 votos, contra 9193 da lista K de Elina Fraga, que deixa assim a liderança do Ordem dos Advogados sem um segundo mandato.

Nas eleições de 18 de novembro, Elina Fraga foi a candidata mais votada, com 8706 votos, enquanto Guilherme Figueiredo conseguiu 7838 votos.

Ao contrário do que acontecera até aqui, não foi eleito automaticamente o candidato mais votado: os novos estatutos da Ordem dos Advogados definem que o novo bastonário deverá obter mais de 50% do total dos votos.

Guilherme Figueiredo já se tinha candidatado a bastonário no triénio anterior. Antes, exerceu o cargo de presidente do Conselho Regional do Porto. Tem 60 anos, é licenciado pela Faculdade de Direito de Coimbra e exerce advocacia desde 1984. Nasceu e vive no Porto e exerce advocacia em prática individual, num escritório arrendado com mais colegas.

Nas últimas eleições, Elina Fraga, alcançou 30,4% dos votos e Guilherme Figueiredo 16,4% do eleitorado. Agora que foi eleito bastonário, Figueiredo viverá entre Lisboa e Porto. Tem uma forte ligação às artes e ao teatro. Atualmente, é presidente da Fundação Júlio Resende, publicou um livro de poesia em 2014, foi homenageado no Palácio de Cristal em 2013, fez parte do júri de festivais de cinema internacionais e frequentou um curso de realização de cinema com Lauro António.

A candidata derrotada fora eleita em 2013, com o apoio de António Marinho e Pinto. Natural de Valpaços, Trás-os-Montes, Elina Fraga foi a segunda mulher a ocupar o cargo de bastonária, depois de Maria de Jesus Serra Lopes, nos anos 90.

Nas eleições para a Ordem dos Advogados houve um total de 20608 votos, 209 nulos e 1344 votos em branco.

Em simultâneo, tiveram também lugar as eleições para os órgãos da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores (CPAS): a lista mais votada foi a de António Costeira Faustino, com 4292 votos num total de 14 864.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.