Guilherme Figueiredo eleito bastonário da Ordem dos Advogados

Elina Fraga, atual bastonária, perdeu a eleição por 669 votos

Guilherme Figueiredo é o novo bastonário da Ordem dos Advogados. Os resultados da segunda volta das eleições, que decorreu ontem, foram publicados na manhã desta quarta-feira no portal da ordem: a lista H de Figueiredo conseguiu 9862 votos, contra 9193 da lista K de Elina Fraga, que deixa assim a liderança do Ordem dos Advogados sem um segundo mandato.

Nas eleições de 18 de novembro, Elina Fraga foi a candidata mais votada, com 8706 votos, enquanto Guilherme Figueiredo conseguiu 7838 votos.

Ao contrário do que acontecera até aqui, não foi eleito automaticamente o candidato mais votado: os novos estatutos da Ordem dos Advogados definem que o novo bastonário deverá obter mais de 50% do total dos votos.

Guilherme Figueiredo já se tinha candidatado a bastonário no triénio anterior. Antes, exerceu o cargo de presidente do Conselho Regional do Porto. Tem 60 anos, é licenciado pela Faculdade de Direito de Coimbra e exerce advocacia desde 1984. Nasceu e vive no Porto e exerce advocacia em prática individual, num escritório arrendado com mais colegas.

Nas últimas eleições, Elina Fraga, alcançou 30,4% dos votos e Guilherme Figueiredo 16,4% do eleitorado. Agora que foi eleito bastonário, Figueiredo viverá entre Lisboa e Porto. Tem uma forte ligação às artes e ao teatro. Atualmente, é presidente da Fundação Júlio Resende, publicou um livro de poesia em 2014, foi homenageado no Palácio de Cristal em 2013, fez parte do júri de festivais de cinema internacionais e frequentou um curso de realização de cinema com Lauro António.

A candidata derrotada fora eleita em 2013, com o apoio de António Marinho e Pinto. Natural de Valpaços, Trás-os-Montes, Elina Fraga foi a segunda mulher a ocupar o cargo de bastonária, depois de Maria de Jesus Serra Lopes, nos anos 90.

Nas eleições para a Ordem dos Advogados houve um total de 20608 votos, 209 nulos e 1344 votos em branco.

Em simultâneo, tiveram também lugar as eleições para os órgãos da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores (CPAS): a lista mais votada foi a de António Costeira Faustino, com 4292 votos num total de 14 864.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?