Guilherme Figueiredo eleito bastonário da Ordem dos Advogados

Elina Fraga, atual bastonária, perdeu a eleição por 669 votos

Guilherme Figueiredo é o novo bastonário da Ordem dos Advogados. Os resultados da segunda volta das eleições, que decorreu ontem, foram publicados na manhã desta quarta-feira no portal da ordem: a lista H de Figueiredo conseguiu 9862 votos, contra 9193 da lista K de Elina Fraga, que deixa assim a liderança do Ordem dos Advogados sem um segundo mandato.

Nas eleições de 18 de novembro, Elina Fraga foi a candidata mais votada, com 8706 votos, enquanto Guilherme Figueiredo conseguiu 7838 votos.

Ao contrário do que acontecera até aqui, não foi eleito automaticamente o candidato mais votado: os novos estatutos da Ordem dos Advogados definem que o novo bastonário deverá obter mais de 50% do total dos votos.

Guilherme Figueiredo já se tinha candidatado a bastonário no triénio anterior. Antes, exerceu o cargo de presidente do Conselho Regional do Porto. Tem 60 anos, é licenciado pela Faculdade de Direito de Coimbra e exerce advocacia desde 1984. Nasceu e vive no Porto e exerce advocacia em prática individual, num escritório arrendado com mais colegas.

Nas últimas eleições, Elina Fraga, alcançou 30,4% dos votos e Guilherme Figueiredo 16,4% do eleitorado. Agora que foi eleito bastonário, Figueiredo viverá entre Lisboa e Porto. Tem uma forte ligação às artes e ao teatro. Atualmente, é presidente da Fundação Júlio Resende, publicou um livro de poesia em 2014, foi homenageado no Palácio de Cristal em 2013, fez parte do júri de festivais de cinema internacionais e frequentou um curso de realização de cinema com Lauro António.

A candidata derrotada fora eleita em 2013, com o apoio de António Marinho e Pinto. Natural de Valpaços, Trás-os-Montes, Elina Fraga foi a segunda mulher a ocupar o cargo de bastonária, depois de Maria de Jesus Serra Lopes, nos anos 90.

Nas eleições para a Ordem dos Advogados houve um total de 20608 votos, 209 nulos e 1344 votos em branco.

Em simultâneo, tiveram também lugar as eleições para os órgãos da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores (CPAS): a lista mais votada foi a de António Costeira Faustino, com 4292 votos num total de 14 864.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.