Guerra aberta entre Belém e São Bento (VÍDEO)

Cavaco Silva quebrou ontem o silêncio sobre o chamado caso das escutas para acusar o PS de o tentar "colar" ao PSD em período de pré- -campanha eleitoral. "Manipulação", acusa o Presidente, que recusa em termos contundentes qualquer acção própria no levantar da suspeita de escutas em Belém. PS diz que este é o "pior momento para querelas artificiais".

O conflito entre a Presidência da República e o PS subiu ontem a um nível inédito: Cavaco Silva evocou o chamado caso das escutas para acusar os socialistas de o tentarem "puxar para a luta político-partidária", encostando-o ao PSD. Apontou "declarações graves" de "destacadas personalidades do partido do Governo", falou em "ultimato", deixou acusações de "manipulação". E acabou mesmo a afirmar que "foram ultrapassados os limites do tolerável e da decência".

Na reacção, o PS, pela voz do ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira, respondeu a Belém que "este é o pior dos momentos para lançar o País em querelas artificiais" - sobretudo quando "assentes em suspeições absurdas". Silva Pereira rejeitou que o caso das escutas tenha tido origem nas declarações de deputados do PS. Ao invés, atribuiu toda a polémica a "suspeições totalmente absurdas e infundadas" atribuídas a um membro da Casa Civil da Presidência. Reacção oficial à parte, as palavras de Cavaco deixaram ontem o PS entre o estupefacto e o irritado. "É uma intervenção tão absurda que não merece comentários", afirmou ao DN Renato Sampaio, líder do PS/Porto.

Na declaração ao País, Cavaco Silva disse ter sido "surpreendido", durante o mês de Agosto, com "declarações de destacadas personalidades do partido do Governo exigindo ao Presidente que viesse falar sobre a participação de membros da sua casa civil na elaboração do programa do PSD". "Declarações graves", referiu o chefe do Estado, avançando a leitura que então fez das palavras dos dirigentes socialistas - "puxar o Presidente para a luta político-partidária, encostando-o ao PSD"; "desviar as atenções do debate eleitoral das questões que realmente preocupavam os cidadãos".

Sobre o passo que se seguiu (a divulgação pelo jornal Público de declarações de um membro da Casa Civil, apontando suspeitas de que a Presidência estaria a ser alvo de escutas do Governo), Cavaco garantiu não ter tido conhecimento prévio das "interrogações atribuídas" a um membro do staff de Belém. O discurso do chefe do Estado tinha, aliás, começado por um afastamento total em relação à suspeita de escutas - "Não existe em nenhuma declaração ou escrito do Presidente qualquer referência a escutas ou a algo semelhante". Cavaco disse também ter "algumas dúvidas quanto aos termos exactos em que possam ter sido produzidas" as declarações relativas a escutas em Belém. Ainda assim, sustentou que qualquer cidadão pode interrogar-se "sobre como é que aqueles políticos [do PS] sabiam dos passos dados por membros da Casa Civil".

Reiterando que houve uma tentativa de o "colar ao PSD", Cavaco apontou a publicação pelo DN de um mail entre jornalistas do Público - que revelava que Fernando Lima, assessor de imprensa, era a fonte que apontara a suspeita de escutas - para afirmar que "desconhecia totalmente a existência e o conteúdo do referido e-mail". "Pessoalmente, tenho sérias dúvidas quanto à veracidade das afirmações nele contidas", acrescentou. Apesar disso, invocando a dúvida criada na opinião pública sobre se teria sido violada a regra do sigilo na Presidência, Cavaco diz ter optado por "alterações" na Casa Civil, deixando implícito que não afastou Fernando Lima de Belém .

A publicação do mail foi também o motivo para questionar a segurança do sistema informático de Belém. O Presidente disse ter ouvido, ontem, "várias entidades com responsabilidades na área da segurança" - após o que ficou a saber "que existem vulnerabilidades", pelo que pediu que seja estudada a hipótese de as reduzir. Defendendo que o "Presidente não cede a pressões", acrescentou que foi por este motivo que se manteve em silêncio durante a campanha eleitoral. 

Comunicação do Presidente da República ao País

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.