Gritam-se palavras de ordem e canta-se a "Grândola"

Desde às 19:00 que algumas pessoas começaram a concentrar-se frente ao Parlamento. O número continua a aumentar e depois de um início de concentração calma, já se gritam palavras de ordem.

Começaram por ser cerca de 200, mas não param de chegar pessoas para se juntar aos protestos frente à Assembleia da República. Durante mais de uma hora o ambiente foi calma, mas há pouco o cenário mudou. Gritam-se palavras de ordem contra o governo e a troika e já se cantou a "Grândola Vila Morena".

Às 17:40 chegou um reforço policial, sob a forma de cinco carrinhas, com uma dezena de agentes cada. O trânsito se faz com normalidade durante toda a tarde, mas as autoridades tiveram de cortar a via às 20:00 quando o número de manifestantes já era considerável.

Com coletes amarelos fluorescentes com as letras MRB.pt, membros do Movimento Revolução Branca entregaram às 18:00 um documento a um representante da presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves.

O documento, um "ultimatum", titula "a não aceitação e o não cumprimento implica o apelo público à desobediência civil eleitoral". Como havia poucas pessoas presentes na hora da entrega, o representante da presidente desceu as escadarias pessoalmente para atender o grupo.

O movimento 'Que se Lixe a Troika' demarcou-se do protesto de cerco ao parlamento, em Lisboa, que se realiza hoje, dia para o qual convocou várias manifestações em mais de 40 cidades, incluindo a capital.

Hoje, além da iniciativa do Movimento Que se Lixe a Troika, realiza-se uma outra, em frente à Assembleia da República, designada "cerco ao parlamento".

Um dos membros do movimento 'Que se Lixe a Troika', Nuno Ramos de Almeida, lembrou à agência Lusa que o protesto promovido pela organização em Lisboa começa no Marquês de Pombal e termina no Terreiro do Paço.

Sobre a participação dos manifestantes no cerco ao parlamento, convocado na rede social Facebook, Ramos de Almeida disse que o movimento "não poderá controlar" esta opção.

O movimento 'Que Se Lixe a Troika' esteve na origem de uma grande manifestação, a 15 de setembro, contra a austeridade.

O último cerco ao parlamento, a 14 de novembro, dia de greve geral, acabou em confrontos entre polícia e manifestantes, de que resultaram várias dezenas de feridos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?