Greves da Transtejo e Soflusa sem serviços mínimos na véspera dos santos de Lisboa

Não foram fixados serviços mínimos relativos ao transporte de passageiros porque o tribunal arbitral considerou "não ter sido demonstrada a existência de necessidades sociais impreteríveis"

O tribunal arbitral decretou não fixar serviços mínimos para o transporte de passageiros nas greves das empresas de transporte fluvial Transtejo e Soflusa, nas vésperas do feriado de Lisboa, em 11 e 12 de junho.

Numa decisão publicada hoje no sítio do Conselho Económico e Social (CES) na Internet, o tribunal arbitral não fixou serviços mínimos relativos ao transporte de passageiros por considerar "não ter sido demonstrada a existência de necessidades sociais impreteríveis".

O mesmo tribunal determinou apenas "a prestação de serviços adequados à manutenção e segurança do equipamento em todas as vertentes" em que estas necessidades se verifiquem por causa da greve.

"Face aos dados de facto que nos foram apresentados, julgamos que, apesar da inegável penosidade que a greve acarreta para os utentes regulares da Transtejo e da Soflusa, não se acham preenchidos os pressupostos indispensáveis para a fixação de serviços mínimos, impondo-se apenas o cumprimento da obrigação de segurança", é salientado no acórdão.

"A situação mereceria, porventura, uma resposta diferente caso a greve se prolongasse por vários dias, ou caso se tratasse de uma paralisação setorial dos transportes coletivos. Mas não é o caso", é realçado no documento.

O tribunal salientou que se trata de "greves de duração limitada" e que "não parece existirem populações que fiquem desprovidas de meios de transporte", existindo "diversas alternativas de circulação entre Lisboa e a Margem sul do Tejo".

Os trabalhadores da Transtejo agendaram uma greve a três horas por turno de serviço nos dias 11 e 12 de junho, uma paralisação motivada pela "paragem total da negociação do Acordo de Empresa (AE)", em que se pretende a valorização salarial dos trabalhadores da empresa.

Os trabalhadores da Soflusa agendaram uma paralisação para 12 de junho, também reivindicando desenvolvimentos na revisão do Acordo de Empresa, anunciou a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS).

A Transtejo é a empresa que faz o transporte fluvial do Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão à capital e a Soflusa liga o Barreiro e Lisboa através do Tejo.

O feriado municipal de Lisboa assinala-se em 13 de junho, quarta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."