Greves da Transtejo e Soflusa sem serviços mínimos na véspera dos santos de Lisboa

Não foram fixados serviços mínimos relativos ao transporte de passageiros porque o tribunal arbitral considerou "não ter sido demonstrada a existência de necessidades sociais impreteríveis"

O tribunal arbitral decretou não fixar serviços mínimos para o transporte de passageiros nas greves das empresas de transporte fluvial Transtejo e Soflusa, nas vésperas do feriado de Lisboa, em 11 e 12 de junho.

Numa decisão publicada hoje no sítio do Conselho Económico e Social (CES) na Internet, o tribunal arbitral não fixou serviços mínimos relativos ao transporte de passageiros por considerar "não ter sido demonstrada a existência de necessidades sociais impreteríveis".

O mesmo tribunal determinou apenas "a prestação de serviços adequados à manutenção e segurança do equipamento em todas as vertentes" em que estas necessidades se verifiquem por causa da greve.

"Face aos dados de facto que nos foram apresentados, julgamos que, apesar da inegável penosidade que a greve acarreta para os utentes regulares da Transtejo e da Soflusa, não se acham preenchidos os pressupostos indispensáveis para a fixação de serviços mínimos, impondo-se apenas o cumprimento da obrigação de segurança", é salientado no acórdão.

"A situação mereceria, porventura, uma resposta diferente caso a greve se prolongasse por vários dias, ou caso se tratasse de uma paralisação setorial dos transportes coletivos. Mas não é o caso", é realçado no documento.

O tribunal salientou que se trata de "greves de duração limitada" e que "não parece existirem populações que fiquem desprovidas de meios de transporte", existindo "diversas alternativas de circulação entre Lisboa e a Margem sul do Tejo".

Os trabalhadores da Transtejo agendaram uma greve a três horas por turno de serviço nos dias 11 e 12 de junho, uma paralisação motivada pela "paragem total da negociação do Acordo de Empresa (AE)", em que se pretende a valorização salarial dos trabalhadores da empresa.

Os trabalhadores da Soflusa agendaram uma paralisação para 12 de junho, também reivindicando desenvolvimentos na revisão do Acordo de Empresa, anunciou a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS).

A Transtejo é a empresa que faz o transporte fluvial do Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão à capital e a Soflusa liga o Barreiro e Lisboa através do Tejo.

O feriado municipal de Lisboa assinala-se em 13 de junho, quarta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.