Mário Nogueira diz que greve é decisiva para plano negocial

Secretário-geral da Fenprof está na manhã desta quarta-feira à porta da Escola Manuel da Maia, em Lisboa

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, disse hoje que a greve dos professores "vai ser decisiva" para o plano negocial e salientou que a expectativa de adesão à paralisação "é grande".

Mário Nogueira falava à porta da Escola Secundária Manuel da Maia, em Lisboa, que às 08:00 já tinha dezenas de pais e alunos à porta, a marcar o início da greve dos professores.

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral da Federação Nacional de Professores explicou que ainda era cedo para avançar com a adesão à greve, uma vez que a maioria das escolas ainda não tinha iniciado as aulas.

"Ainda não temos dados. Uma vez que só às 08:30 é que começam as aulas [na maioria das escolas]. Aqui na Escola Secundária Manuel da Maia, em Lisboa, como se pode ver as aulas começam às 08:00 e os alunos estão todos aqui porta. É uma escola que por norma não é uma escola em que os níveis de adesão sejam elevados. Praticamente a escola está parada e penso que vai repetir-se por todo o país", disse.

Os professores realizam hoje uma greve geral e uma concentração em frente ao parlamento, o que se poderá traduzir em escolas fechadas, alunos sem aulas e professores na rua.

Em causa está a polémica proposta de não contagem do tempo de serviço prevista na proposta do Orçamento de Estado para 2018 (OE2018), que será debatida na quarta-feira no parlamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.