Greve dos médicos afeta 90% dos blocos operatórios em Portugal

Durante a paralisação, que teve início esta terça-feira e termina na quinta-feira, estão garantidos serviços mínimos equivalentes aos de um fim de semana

A greve dos médicos regista esta terça-feira uma adesão que ronda os 90% nos blocos operatórios a nível nacional, atingindo os 100% em alguns locais, de acordo com os dados divulgados pelos sindicatos ao início da tarde.

Em declarações aos jornalistas no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, os dirigentes do Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e da Federação Nacional dos Médicos (FNAM) frisaram que, durante os três dias de greve, hoje iniciada, centenas de médicos asseguram serviços mínimos como se de um fim de semana se tratasse.

Nas consultas externas hospitalares a adesão é de 75%, de acordo com as mesmas fontes, e, nos cuidados primários de saúde (centros de saúde), é de 85 por cento.

"Quando os centros de saúde começarem a funcionar bem, deixa de haver problemas nas urgências dos hospitais", disse à agência Lusa João Proença, o presidente da FNAM.

O secretário-geral do SIM, Roque da Cunha, afirmou, por seu lado, que as declarações do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, "a desvalorizar a greve" são "mais uma mentira. "Não se pode comparar médicos recém-licenciados com especialistas e dizer que há mais médicos", defendeu o dirigente sindical.

O presidente da FNAM disse que o Serviço Nacional de Saúde tem "cada vez menos médicos e cada vez mais idosos", acusando o ministro de fazer "uma gestão desastrosa dos recursos humanos".

Os dois dirigentes fizeram um balanço positivo da greve hoje iniciada, bem como da perceção dos utentes da razão da paralisação para a qualidade dos serviços.

Os médicos deram hoje início à meia-noite três dias de greve nacional, uma paralisação que os sindicatos consideram ser "pela defesa do Serviço Nacional de Saúde".

A reivindicação essencial para esta greve de três dias é "a defesa do SNS" e o respeito pela dignidade da profissão médica, segundo os dois sindicatos que convocaram a paralisação: o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e a Federação Nacional dos Médicos (FNAM).

Em termos concretos, os sindicatos querem uma redução do trabalho suplementar de 200 para 150 horas anuais, uma diminuição progressiva até 12 horas semanais de trabalho em urgência e uma diminuição gradual das listas de utentes dos médicos de família até 1.500 utentes, quando atualmente são cerca de 1.900 doentes.

Entre os motivos da greve estão ainda a revisão das carreiras médicas e respetivas grelhas salariais, o descongelamento da progressão da carreira médica e a criação de um estatuto profissional de desgaste rápido e de risco e penosidade acrescidos, com a diminuição da idade da reforma.

Para hoje à tarde, a FNAM agendou ainda uma concentração em frente ao Ministério da Saúde, em Lisboa.

A paralisação nacional de três dias, que termina à meia-noite de quinta-feira, deve afetar sobretudo consultas e cirurgias programadas, estando contudo garantidos serviços mínimos, como as urgências, tratamentos de quimioterapia, radioterapia, transplante, diálise, imuno-hemoterapia e cuidados paliativos em internamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.