Greve geral: Jerónimo apela à mobilização

O secretário-geral do PCP apelou hoje à participação dos que "hesitam e têm dificuldades" na greve geral de 22 de março e acusou "os grandes meios de comunicação social" de estarem a "silenciar" a iniciativa da CGTP.

"Hoje, perder um dia de salário custa muito, mas devemos apelar. Sim, custa muito perder um dia de salário, mas custará muito mais perder sete dias em férias e feriados, custa mais perder a retribuição das horas "extra', custa mais perder a segurança no emprego, com a facilitação e embaratecimento dos despedimentos, custa mais perder o contrato, custa muito mais trabalhar mais e receber menos um ano inteiro, que eles querem que seja para uma vida toda para as novas gerações de trabalhadores", afirmou Jerónimo de Sousa.

Numa intervenção num plenário regional de quadros para preparar o XIX Congresso do PCP, no Pinhal Novo, o líder comunista dramatizou o apelo à participação na greve geral.

"Devemos, àqueles que hoje hesitam e têm dificuldades, dizer claramente, de ti depende a importância desta greve geral, é do futuro dos direitos que estamos a tratar no dia 22 de março", disse.

"Esta greve precisa de mais de nós, no esclarecimento, na mobilização, na participação, ela está a ser silenciada e desvalorizada particularmente pelos grandes meios de comunicação social, os trabalhadores estão a receber pressões", acrescentou.

O secretário-geral comunista apontou a greve geral de 22 de março como "tarefa prioritária" do partido, afirmando que este "não se substituirá à CGTP, aos seus dirigentes, delegados e ativistas sindicais".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.