Greve dos vigilantes privados nos aeroportos causa filas mas sem impacto nos voos

ANA garante que não há atrasos nem cancelamentos de voos devido à greve

O aeroporto de Lisboa hoje está com tempos de fila de passageiros mais elevados do que o normal devido à greve dos vigilantes privados, mas não há atrasos nem cancelamento nos voos, segundo a ANA - Aeroportos de Portugal.

Convocada pelo do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA), a greve dos trabalhadores da Prosegur e da Securitas, que garantem a segurança dos aeroportos, decorre hoje e no domingo e tem como objetivo exigir a "contratação coletiva", "melhores condições de trabalho" e "uma carreira com dignidade".

Contactado pela Lusa, o porta-voz da ANA adiantou que, apesar do tempo de fila de passageiros ser "mais elevado do que o normal", não há "cancelamentos ou atrasos imputados à greve".

Para esta situação, segundo Rui Oliveira, contribuiu o facto de os passageiros terem acatado os conselhos da ANA - Aeroportos de Portugal, nomeadamente chegarem com três horas de antecedência em relação à hora do seu voo e privilegiarem a bagagem de porão em detrimento da bagagem de mão.

"Graças a isso é que não se têm registado atrasos nem cancelamentos de voos", sublinhou porta-voz da ANA, salientando que "é importantíssimo que os passageiros continuem a acatar as recomendações".

Cerca das 09:00 o tempo máximo de fila de espera no Aeroporto Humberto Delgado era de 27 minutos.

Nos restantes aeroportos do país, a greve não está a ter impacto, estando "tudo a decorrer normalmente", disse Rui Oliveira.

A Lusa contactou Armando Costa, do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos, que remeteu um primeiro balanço da greve para as 11:30.

Os vigilantes privados de aeroportos marcaram uma concentração para domingo, em Lisboa e no Porto, para denunciar, nomeadamente, que os empregadores "recebem subsídio de segurança pago pelos passageiros à custa dos trabalhadores".

Para justificar esta nova paralisação, Armando Costa explicou, em declarações anteriores, que as empresas de segurança e a concessionária dos aeroportos, com o constante aumento de passageiros, "estão a receber mais dinheiro e a viver à custa deste subsídio de segurança pago pelos passageiros à custa dos trabalhadores" e a "manter a precariedade".

Em resposta à Associação de Empresas Privadas (AES), que anunciou um acordo de princípio para um novo contrato coletivo de trabalho, o dirigente do SITAVA garantiu tratar-se de um entendimento com sindicatos "sem representatividade no setor dos aeroportos".

Por seu lado, a AES lamentou esta greve convocada pelo SITAVA, uma vez que "deu resposta positiva a várias reivindicações dos trabalhadores".

Em maio, o SITAVA tinha emitido um outro pré-aviso de greve a todo o trabalho extraordinário entre os dias 03 de junho e 01 de outubro, depois de uma reunião insatisfatória com a TAP para discutir a proposta entregue em dezembro de revisão salarial para 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.