Greve dos seguranças privados não afetou ligações aéreas

O protesto dos trabalhadores de empresas de vigilância e segurança privada dos aeroportos nacionais começou esta madrugada para exigir revisão de salários e horários

Os voos nos aeroportos nacionais não estão a ser afetados pela greve parcial dos trabalhadores de empresas de vigilância e segurança privada, disse à Lusa uma fonte da ANA - Aeroportos de Portugal.

Contactada pela agência Lusa, fonte da ANA -- Aeroportos de Portugal adiantou que não há atrasos nos voos, nem cancelamentos nos aeroportos nacionais na sequência da greve que teve início às 04:00 e terminou às 06:00.

Por sua vez, o Sindicato dos Trabalhadores da Aviação civil (SITAVA) remeteu para mais tarde dados sobre a adesão à greve.

A greve parcial dos trabalhadores de empresas de vigilância e segurança privada dos aeroportos nacionais começou esta madrugada para exigir revisão de salários e horários, e esperavam-se constrangimentos para os passageiros.

Convocada pelo SITAVA, a paralisação de cinco dias, que inclui o período da Páscoa, será feita durante duas horas e poderá levar a perturbações.

A paralisação iniciou-se às 04:00, o primeiro turno de hoje, apresentando-se os trabalhadores em greve duas horas depois, ou seja, às 06:00.

A paralisação é de duas horas diárias, no início dos turnos.

O SITAVA acusa as empresas de vigilância e segurança privada de não aceitarem rever os salários, congelados desde 2011, e de desregularem os horários de trabalho destes trabalhadores, estimados em mais de mil.

Por seu lado, a Associação de Empresas de Segurança já lamentou a greve parcial e afirmou que as propostas do sindicato mostram-se "seriamente comprometedoras da sustentabilidade financeira das empresas", ao implicarem um "incremento direto de custos superior a 30%, ameaçando, com isso, a destruição definitiva de emprego neste setor".

Ao esperar que o "processamento de passageiros nos aeroportos nacionais sofra constrangimentos", a ANA recomendou aos viajantes "que procurem ou aguardem as instruções transmitidas pelas suas companhias aéreas, deslocando-se para os aeroportos de acordo com aquele contexto".

A empresa gestora dos aeroportos portugueses aconselha ainda os passageiros a despacharem bagagem no 'check-in', para reduzir o número de peças a rastrear no controlo de bagagem de mão, que é feito pelos trabalhadores destas empresas, e assim minimizar o impacto da paralisação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.