Greve dos professores. "Adesão média de 60 a 70%" durante a manhã

O sindicalista considera esta uma resposta adequada à falta de acordo de ontem

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, apontou para uma adesão média de 60 a 70% à greve dos professores, no período da manhã, num balanço feito em frente à escola Marquesa de Alorna, em Lisboa. A greve abrange hoje as escolas dos distritos de Lisboa, Setúbal e Santarém e na região autónoma da Madeira.

O sindicalista considera esta uma resposta adequada à falta de acordo de ontem, antecipando que nos próximos dias desta greve por regiões a adesão vá crescendo.

Aponta ainda para o último dia, sexta-feira, como o momento em que será feito o balanço definitivo do protesto. Nesse dia está previsto que a paralisação se realize apenas a norte, mas Nogueira acredita que esta possa ter expressão nacional

Em preparação está ainda uma manifestação nacional para o início do terceiro período, não estando descartadas novas greves, caso não se chegue a um entendimento com o governo.

Na quarta-feira, a greve abrange as escolas da região sul (Évora, Portalegre, Beja e Faro), na quinta-feira as da região centro (Coimbra, Viseu, Aveiro, Leiria, Guarda e Castelo Branco) e, na sexta-feira, é a vez da região norte (Porto, Braga, Viana do Castelo, Vila Real e Bragança) e na região autónoma dos Açores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.