Greve dos professores. "Adesão média de 60 a 70%" durante a manhã

O sindicalista considera esta uma resposta adequada à falta de acordo de ontem

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, apontou para uma adesão média de 60 a 70% à greve dos professores, no período da manhã, num balanço feito em frente à escola Marquesa de Alorna, em Lisboa. A greve abrange hoje as escolas dos distritos de Lisboa, Setúbal e Santarém e na região autónoma da Madeira.

O sindicalista considera esta uma resposta adequada à falta de acordo de ontem, antecipando que nos próximos dias desta greve por regiões a adesão vá crescendo.

Aponta ainda para o último dia, sexta-feira, como o momento em que será feito o balanço definitivo do protesto. Nesse dia está previsto que a paralisação se realize apenas a norte, mas Nogueira acredita que esta possa ter expressão nacional

Em preparação está ainda uma manifestação nacional para o início do terceiro período, não estando descartadas novas greves, caso não se chegue a um entendimento com o governo.

Na quarta-feira, a greve abrange as escolas da região sul (Évora, Portalegre, Beja e Faro), na quinta-feira as da região centro (Coimbra, Viseu, Aveiro, Leiria, Guarda e Castelo Branco) e, na sexta-feira, é a vez da região norte (Porto, Braga, Viana do Castelo, Vila Real e Bragança) e na região autónoma dos Açores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.