Greve do Metro de Lisboa de sexta-feira sem serviços mínimos

Será a oitava paralisação dos trabalhadores do Metropolitano da capital este ano.

O tribunal arbitral do Conselho Económico e Social (CES) anunciou hoje não ter decretado serviços mínimos para a circulação de comboios do Metropolitano de Lisboa na greve de 24 horas agendada para a próxima sexta-feira.

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa marcaram nova greve de 24 horas para dia 26 de junho -- a oitava deste ano -, contra a privatização e a reestruturação da empresa.

A última greve decorreu na quinta-feira passada, tendo obrigado a fechar todas as estações do Metro entre as 23:20 de quarta-feira e as 06:30 de sexta.

A decisão do tribunal arbitral, divulgada hoje na página daquele organismo na Internet, refere que "não são fixados quaisquer serviços mínimos relativamente à circulação de composições".

Em contrapartida, o acórdão obriga os trabalhadores a assegurarem os serviços necessários à segurança e manutenção do equipamento e das instalações.

O tribunal justifica a decisão com o facto de existirem em Lisboa meios de transporte alternativos ao Metropolitano e de não haver coincidência de outras greves nos transportes na mesma área geográfica.

O Governo atribuiu na sexta-feira a subconcessão do Metropolitano de Lisboa (assim como da rodoviária Carris) ao grupo espanhol de transportes urbanos Avanza, cujo contrato deverá ser assinado no dia 15 de julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.