Greve de quinta-feira no Metro de Lisboa suspensa

Suspensão aconteceu depois de reunião com o governo

A greve no Metro de Lisboa, agendada para quinta-feira, foi suspensa na sequência de uma reunião com a tutela, disse esta segunda-feira a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS).

A dirigente da FECTRANS Anabela Carvalheira afirmou, em declarações à Lusa, que foram assumidos compromissos que vão ao encontro das exigências dos trabalhadores numa reunião realizada na quinta-feira, que contou com a presença do ministro do Ambiente, do secretário de Estado, que têm a tutela dos transportes, e do presidente do Metropolitano de Lisboa.

A responsável adiantou ainda que foi acordado que até ao final do mês de maio serão abertos concursos "para a contratação de 23 trabalhadores para a área de manutenção e 30 trabalhadores para a área das estações".

Anabela Carvalheira alertou que os sindicatos continuarão "atentos e vigilantes", acrescentando que serão tomadas medidas que defendam os direitos e garantias dos trabalhadores do metro "caso não se concretizem os compromissos assumidos".

No passado dia 26 de março, os sindicatos entregaram um pré-aviso de greve ao Ministério do Ambiente e à empresa com antecedência de modo a que ainda fosse possível encontrar uma solução que levasse à "não realização da greve".

Os pressupostos deste pré-aviso de greve, entretanto suspensa, têm a ver com a contratação de mais trabalhadores e com aumentos salariais que, segundo a FECTRANS, não acontecem desde 2009.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."