Greve de quinta-feira no Metro de Lisboa suspensa

Suspensão aconteceu depois de reunião com o governo

A greve no Metro de Lisboa, agendada para quinta-feira, foi suspensa na sequência de uma reunião com a tutela, disse esta segunda-feira a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS).

A dirigente da FECTRANS Anabela Carvalheira afirmou, em declarações à Lusa, que foram assumidos compromissos que vão ao encontro das exigências dos trabalhadores numa reunião realizada na quinta-feira, que contou com a presença do ministro do Ambiente, do secretário de Estado, que têm a tutela dos transportes, e do presidente do Metropolitano de Lisboa.

A responsável adiantou ainda que foi acordado que até ao final do mês de maio serão abertos concursos "para a contratação de 23 trabalhadores para a área de manutenção e 30 trabalhadores para a área das estações".

Anabela Carvalheira alertou que os sindicatos continuarão "atentos e vigilantes", acrescentando que serão tomadas medidas que defendam os direitos e garantias dos trabalhadores do metro "caso não se concretizem os compromissos assumidos".

No passado dia 26 de março, os sindicatos entregaram um pré-aviso de greve ao Ministério do Ambiente e à empresa com antecedência de modo a que ainda fosse possível encontrar uma solução que levasse à "não realização da greve".

Os pressupostos deste pré-aviso de greve, entretanto suspensa, têm a ver com a contratação de mais trabalhadores e com aumentos salariais que, segundo a FECTRANS, não acontecem desde 2009.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".