Grande Guerra: Portugal usou a França para manipular os ingleses

Investigação no centenário da Grande Guerra recolhe "largos milhares" de documentos que explicam a intervenção portuguesa

A Inglaterra pediu a apreensão dos navios alemães fundeados em portos nacionais, em fevereiro de 1916, para evitar que a França o fizesse.

Este é um dos factos inéditos relacionados com a participação de Portugal na Grande Guerra que resultam do acesso a "largos milhares" de documentos existentes em arquivos estrangeiros. "A Inglaterra só pede a apreensão dos navios alemães porque a França diz que o vai fazer. Quando [Paris] põe a questão aos ingleses, estes acham que Portugal sai da esfera inglesa e passa para a da França" - algo a evitar, diz o historiador António Telo.

"A França foi instrumental para os guerristas forçarem a beligerância contra a Inglaterra e contra o sentimento dominante em Portugal, que era de neutralidade" face aos países em guerra, onde Portugal entrou após a declaração de guerra da Alemanha motivada pela referida apreensão dos seus navios, adianta António Telo ao DN.

Esses "largos milhares" de documentos inéditos sobre o papel de Portugal "mostram factos completamente desconhecidos e dão uma nova visão de conjunto" sobre essa intervenção, afirma António Telo. "Nunca foram publicados nem citados" e estavam em arquivos dos EUA, do Reino Unido, da França e da Alemanha, diz o diretor e investigador principal do projeto Tipologia da Conflitualidade e Beligerância Portuguesa na Grande Guerra.

Este projeto de investigação foi aprovado pela Comissão Coordenadora para a Evocação do Centenário da I Guerra Mundial - em que Portugal entrou em março de 1916, com o Corpo Expedicionário Português (CEP) a partir para a França no início de 1917 - e envolve dezena e meia de investigadores civis e militares, estes dos três ramos das Forças Armadas e da GNR - um dos quais vai em junho à África do Sul para aceder a novos documentos.

Certo é que o acervo já trabalhado "lança uma nova e diferente visão sobre a beligerância" portuguesa e "as implicações" decorrentes do envio das Forças Armadas para a Flandres, sublinha António Telo.

O professor da Academia Militar aponta "a principal motivação" dos decisores políticos de então: "Foi o setor radical [liderado por Afonso Costa, do Partido Democrático] que quis forçar a beligerância para vencer a guerra civil interna" que se verificava "de forma intermitente" - e que "passava por transformar, mudar, alterar a estrutura, a orgânica, a mentalidade das Forças Armadas."

As fortes divisões políticas e dentro da instituição militar que marcavam os primeiros anos da República traduziram-se em três revoluções, ataques e atentados falhados, mudanças de governo, muitos mortos e feridos, lembra António Telo.

Perante esse "constante recurso à violência", a opção do governo pela "beligerância é a forma de um setor vencer a guerra civil". Na defesa das colónias africanas "havia concordância" entre os chamados guerristas e antiguerristas. A posição de Londres era um obstáculo às pretensões dos guerristas, enfatiza o académico: "Se há alguém que não quer" a entrada de Portugal na I Guerra Mundial, "é a Inglaterra!"

Por isso é que "os guerristas lançam a França contra a Inglaterra para conseguirem o propósito de entrar na guerra" que assolava e se arrastava na Europa. "A Inglaterra foi contra e, mesmo quando Portugal entrou na guerra, era contra o envio de tropas portuguesas", frisa.

Memória

Estatuto ambíguo

- A oposição da Inglaterra à participação de Portugal na Grande Guerra fez que Lisboa começasse por ter uma posição ambígua: não era neutral nem parte ativa no conflito.

Entrada na guerra

- A declaração de guerra da Alemanha a Portugal ocorreu a 9 de março de 1916, quase dois anos após o início de um conflito que mobilizou mais de 70 milhões de militares.

Balanço Final

- Portugal perdeu cerca de 7600 militares na Grande Guerra, dos quais dois mil na Europa. Na frente africana, morreram 800 em Angola e mais 4800 em Moçambique.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.