Dois anos de Governo. Marcelo diz que políticos têm de atender às pessoas de carne e osso

Presidente da República escusou-se a comentar sessão de perguntas de cidadãos ao executivo

O Presidente da República defendeu hoje, em Marco de Canaveses, que os políticos não se podem "descolar" daquilo que sentem "as pessoas de carne e osso".

"Que aqueles que intervêm na vida política estejam identificados com as pessoas concretas de carne e osso, que estejam atentos àquilo que se pensa, àquilo que se sente, se sofre e é preciso resolver, dos vários lados", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado respondia a questões dos jornalistas sobre o segundo aniversário do Governo socialista, hoje assinalado, recusando-se a comentar a sessão de perguntas de cidadãos ao executivo, que vai decorrer em Aveiro, à tarde.

"É uma matéria que não comento, o Presidente da República coloca-se noutro plano, acima disso tudo. Há problemas tão importantes dos portugueses e são esses problemas que preocupam o Presidente da República, de facto, e alguns deles ficaram mais visíveis com as tragédias recentes", destacou.

"Não podemos nunca descolar dessas necessidades", acrescentou, referindo que as pessoas de carne e osso "são a justificação da vida política".

O Presidente participou hoje em Marco de Canaveses, no distrito do Porto, na homenagem da paróquia da cidade a António Francisco, bispo do Porto, que decorreu no Centro Paroquial de Santa Maria e à qual assistiram centenas de pessoas.

Do programa da visita constava também uma visita ao hospital da cidade, para assinalar o 50.º aniversário da Santa Casa da Misericórdia de Marco de Canaveses, proprietário daquele equipamento.

À margem do programa oficial, o chefe do Estado respondeu às várias perguntas dos jornalistas sobre o balanço dos dois anos de governação.

"Limito-me a dizer o que digo desde o primeiro minuto. No primeiro minuto achava-se que era impossível, muitos achavam que era impossível, eu sempre pensei que era possível e desejável", comentou.

Para o Presidente, tendo em conta que a Europa e o mundo estão numa "fase difícil", não se deve "juntar crises internas a problemas internacionais".

"Foi isso que eu sempre pensei e é isso que eu penso. Não mudo de pensamento, sou muito estável, não tenho estados de alma ao longo do meu mandato", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.