Governo tem "plano de emergência" para salvar ilha do Tejo de submersão

Ilha Mouchão da Póvoa, no estuário do Tejo está em risco de submersão

O Ministério do Ambiente fez hoje saber que está a elaborar "um plano de emergência" para intervir no Mouchão da Póvoa, uma ilha particular localizada no estuário do Tejo que corre o risco de ficar submersa.

Numa nota enviada à agência Lusa, fonte do Ministério do Ambiente admitiu que o Mouchão da Póvoa se encontra "em avançado estado de degradação" e referiu que já foi pedida à Associação Portuguesa do Ambiente (APA) que elabore um "plano de intervenção, cofinanciado pelo Fundo Ambiental".

A mesma nota sublinha que a área afetada "ainda se situa no domínio público" mas, tendo "utilização privada, competiria à empresa proprietária proceder à realização das obras".

Nesse sentido, a tutela ressalva que terá de ser mais tarde "ressarcida pelos custos da intervenção de emergência".

O Ministério do Ambiente não perspetivou uma data nem qual será a verba necessária para intervir no Mouchão da Póvoa.

A Lusa tentou contactar, sem sucesso, o proprietário do Mouchão da Póvoa.

O Mouchão da Póvoa, com 1200 hectares, é um dos três mouchões existentes no concelho de Vila Franca de Xira (distrito de Lisboa) e caracteriza-se pela atividade agrícola ali desenvolvida pelos proprietários.

Há um ano, a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira alertou a APA para a existência de um "rombo grave" num dos diques de proteção do Mouchão, solicitando que o proprietário da ilha pudesse ali realizar "uma intervenção urgente".

Contudo, há uma semana, o presidente daquela autarquia, Alberto Mesquita (PS), referiu à Lusa que a "ausência de uma resposta célere" por parte da APA fez com que o Ministério do Ambiente tivesse assumido, no início deste mês, um compromisso com a autarquia de que iriam ser feitas obras "rapidamente".

A situação do Mouchão da Póvoa já motivou várias manifestações de preocupação tanto a nível local como nacional.

Na segunda-feira, a presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, visitou os mouchões de Vila Franca de Xira e alertou o Governo para a necessidade de uma "intervenção urgente", sublinhado que o estado atual do Mouchão da Póvoa "coloca em causa a biodiversidade do estuário do Tejo e a atividade agrícola ali existente".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.