Governo quer mais 20 mil pessoas com competências digitais até 2020

O executivo de António Costa estima uma despesa de 55 mil euros com esta medida

O Governo pretende "capacitar mais 20.000 pessoas" até 2020 em competências digitais, de acordo com o Programa Nacional de Reformas hoje aprovado em Conselho de Ministros.

O executivo de António Costa estima uma despesa de 55 mil euros com esta medida, dos quais 47 mil euros do Portugal 2020.

A medida insere-se dentro da iniciativa "Competências Digitais", que visa responder à carência de recursos humanos capacitados em tecnologias de informação.

O Programa Nacional de Reformas prevê ainda "aprofundar a lógica de Balcão Único de Emprego, integrando espaços físicos e virtuais", com o objetivo de qualificar os portugueses.

O objetivo é concentrar progressivamente, num único espaço, físico ou virtual, todas as interações dos cidadãos desempregados nos processos de procura ativa de emprego, bem como dos empregadores nos processos de seleção e contratação de novos trabalhadores.

De acordo com a calendarização, no primeiro semestre deste ano serão feitos mapas do percurso de utentes, visando a identificação dos aspetos críticos dos contactos e dos canais utilizados. No segundo semestre, o objetivo é desenhar e operacionalizar as medidas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...