Governo quer contratar mais "algumas dezenas" de nutricionistas para centros de saúde

Atualmente, há cerca de 400 nutricionistas no Serviço Nacional de Saúde (SNS), sendo que nos centros de saúde existem cerca de uma centena

O Ministério da Saúde quer contratar mais "algumas dezenas" de nutricionistas para os centros de saúde já no próximo ano, um objetivo que está a ser negociado em sede de discussão do Orçamento de Estado.

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde deixou hoje o anúncio durante o Congresso da Ordem dos Nutricionistas, que está a decorrer em Lisboa.

Fernando Araújo explicou depois à agência Lusa que existem "várias propostas que estão a ser analisadas no âmbito do Orçamento de Estado para 2018" e que a expectativa é poder "aumentar em cerca de 50% o número de nutricionistas nos cuidados de saúde primários".

"Vamos esperar pela discussão, mas parece existir consenso para que seja aprovada uma medida nesse sentido", afirmou Fernando Araújo.

Atualmente, há cerca de 400 nutricionistas no Serviço Nacional de Saúde (SNS), sendo que nos centros de saúde existem cerca de uma centena.

Aumentar a presença de nutricionistas no SNS era um dos objetivos traçados para o segundo mandato da bastonária da Ordem destes profissionais, Alexandra Bento.

A criação da figura dos nutricionistas escolares é outra das pretensões da Ordem, que quer também "acabar com o exercício ilegal da profissão de nutricionista", recordando que as plataformas online são locais privilegiados para falsos profissionais proliferarem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.