Governo quer acelerar cuidados continuados em Lisboa

O secretário de Estado Adjunto do ministro da Saúde disse hoje que o Governo vai acelerar a disponibilização de unidades de cuidados continuados na Grande Lisboa, por ser a região "mais carenciada do país".

Fernando Leal da Costa revelou que está a ser preparada uma nova portaria com os requisitos para aquele tipo de equipamentos, frisando ser "muito difícil", com a atual legislação, construir unidades de cuidados continuadas nas áreas urbanas.

Falando hoje em Amarante, onde inaugurou uma nova unidade daquele tipo, que custou mais de cinco milhões de euros, o secretário de Estado disse haver "uma grande assimetria" no número de unidades, que é mais elevado no norte do país. Fernando Leal da Costa atribuiu essa diferença "ao maior dinamismo e empreendedorismo das gentes do norte, que não têm medo de arriscar".

"Considerando a capacidade financeiras da Segurança Social e do Ministério da Saúde é prioritário reequilibrar a distribuição das camas", disse, em declarações à Agência Lusa.

Antes, na cerimónia de inauguração, o provedor a Santa Casa da Misericórdia de Amarante, José Augusto Silveira, revelara que a nova unidade vai abrir com metade da capacidade instalada, porque o Estado só contratualizou 30 das 61 camas que constituem aquele equipamento. O secretário de Estado explicou à Lusa que, devido à situação por que passa o país, "não há condições para contratualizar a capacidade máxima de todas as unidades que estavam preparadas para ser abertas", como o caso de Amarante.

"Temos necessidade de garantir a sustentabilidade a toda a rede em termos nacionais", salientou, admitindo que, no passado, houve "algum sobredimensionamento da rede destes equipamentos, a nível nacional". Fernando Leal da Costa salientou, no entanto, que vai ser possível abrir, até ao final do ano, mais 800 camas de cuidados continuados contratualizadas com o Estado, atingindo, anunciou, "quase 6.900 camas em todo o território nacional".

O secretário de Estado admitiu que, no futuro, poderá haver possibilidade de o Estado contratualizar mais camas com a Misericórdia de Amarante, porque se vai privilegiar os equipamentos de maior dimensão, como o que hoje foi inaugurado.

"Queremos criar condições para que as unidades de maior dimensão e rentabilidade, como esta, venham progressivamente a recuperar espaço e a serem preferidas relativamente a unidades de menor dimensão, que num determinado momento foram deixadas proliferar e que hoje em dia muitas delas estão com maiores dificuldades", explicou.

À Lusa, Fernando Leal da Costa disse ainda que o Governo está empenhado em criar condições para resolver "a questão dos doentes da área da saúde mental que estão com carências muito marcadas e que não foram ainda resolvidas".

O provedor a Santa Casa da Misericórdia de Amarante admitiu à Lusa que a abertura do equipamento apenas com metade da sua capacidade vai criar problemas de sustentabilidade financeira à instituição.

Contudo, para José Augusto Silveira, há esperança de, em 2014, ser possível contratualizar com o Estado as restantes camas.

O equipamento hoje inaugurado, situado junto ao edifício do antigo hospital de S. Gonçalo, tem 40 camas para internamento de longa duração. O funcionamento de 30 daquelas foi contratualizado hoje com a tutela.

O equipamento comporta ainda, noutro piso, 21 camas para média duração e reabilitação que ficam a aguardar pelo acordo com o Estado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.