Governo quer acelerar cuidados continuados em Lisboa

O secretário de Estado Adjunto do ministro da Saúde disse hoje que o Governo vai acelerar a disponibilização de unidades de cuidados continuados na Grande Lisboa, por ser a região "mais carenciada do país".

Fernando Leal da Costa revelou que está a ser preparada uma nova portaria com os requisitos para aquele tipo de equipamentos, frisando ser "muito difícil", com a atual legislação, construir unidades de cuidados continuadas nas áreas urbanas.

Falando hoje em Amarante, onde inaugurou uma nova unidade daquele tipo, que custou mais de cinco milhões de euros, o secretário de Estado disse haver "uma grande assimetria" no número de unidades, que é mais elevado no norte do país. Fernando Leal da Costa atribuiu essa diferença "ao maior dinamismo e empreendedorismo das gentes do norte, que não têm medo de arriscar".

"Considerando a capacidade financeiras da Segurança Social e do Ministério da Saúde é prioritário reequilibrar a distribuição das camas", disse, em declarações à Agência Lusa.

Antes, na cerimónia de inauguração, o provedor a Santa Casa da Misericórdia de Amarante, José Augusto Silveira, revelara que a nova unidade vai abrir com metade da capacidade instalada, porque o Estado só contratualizou 30 das 61 camas que constituem aquele equipamento. O secretário de Estado explicou à Lusa que, devido à situação por que passa o país, "não há condições para contratualizar a capacidade máxima de todas as unidades que estavam preparadas para ser abertas", como o caso de Amarante.

"Temos necessidade de garantir a sustentabilidade a toda a rede em termos nacionais", salientou, admitindo que, no passado, houve "algum sobredimensionamento da rede destes equipamentos, a nível nacional". Fernando Leal da Costa salientou, no entanto, que vai ser possível abrir, até ao final do ano, mais 800 camas de cuidados continuados contratualizadas com o Estado, atingindo, anunciou, "quase 6.900 camas em todo o território nacional".

O secretário de Estado admitiu que, no futuro, poderá haver possibilidade de o Estado contratualizar mais camas com a Misericórdia de Amarante, porque se vai privilegiar os equipamentos de maior dimensão, como o que hoje foi inaugurado.

"Queremos criar condições para que as unidades de maior dimensão e rentabilidade, como esta, venham progressivamente a recuperar espaço e a serem preferidas relativamente a unidades de menor dimensão, que num determinado momento foram deixadas proliferar e que hoje em dia muitas delas estão com maiores dificuldades", explicou.

À Lusa, Fernando Leal da Costa disse ainda que o Governo está empenhado em criar condições para resolver "a questão dos doentes da área da saúde mental que estão com carências muito marcadas e que não foram ainda resolvidas".

O provedor a Santa Casa da Misericórdia de Amarante admitiu à Lusa que a abertura do equipamento apenas com metade da sua capacidade vai criar problemas de sustentabilidade financeira à instituição.

Contudo, para José Augusto Silveira, há esperança de, em 2014, ser possível contratualizar com o Estado as restantes camas.

O equipamento hoje inaugurado, situado junto ao edifício do antigo hospital de S. Gonçalo, tem 40 camas para internamento de longa duração. O funcionamento de 30 daquelas foi contratualizado hoje com a tutela.

O equipamento comporta ainda, noutro piso, 21 camas para média duração e reabilitação que ficam a aguardar pelo acordo com o Estado.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.