Governo prevê 6,7 mil milhões de investimento nacional até 2020

Ministro do Planeamento alegou que o investimento anual pouco ultrapassará os mil milhões de euros por ano e que essas verbas serão provenientes de todos os ministérios

O ministro do Planeamento, Pedro Marques, afirmou hoje que o Programa Nacional de Reformas vai absorver 25 mil milhões de euros até 2020, sendo cerca de metade em fundos comunitários e 6,7 mil milhões de comparticipação nacional.

Estes dados foram avançados por Pedro Marques, numa conferência de imprensa conjunta com o ministro das Finanças, Mário Centeno, após o executivo ter aprovado em Conselho de Ministros os programas de Estabilidade e Nacional de Reformas.

Interrogado sobre a capacidade de Portugal investir 6,7 mil milhões de euros nos próximos anos, Pedro Marques alegou que o investimento anual pouco ultrapassará os mil milhões de euros por ano e que essas verbas serão provenientes de todos os ministérios, representando "escolhas de políticas públicas".

Ao longo da conferência de imprensa, Pedro Marques, quando apresentou o Programa Nacional de Reformas, procurou traçar uma linha de demarcação face ao executivo anterior, advogando que agora se pretende "alinhar o país por cima" em matéria de competitividade, através de uma aposta na qualificação de recursos humanos, das empresas, do Estado e território.

Na perspetiva do ministro do Planeamento, o Programa Nacional de Reformas, que contém 140 "medidas concretas, todas calendarizadas e orçamentadas".

"Até 2020, envolvem um conjunto global de recursos na ordem dos 25 mil milhões de euros, sendo cerca de metade do programa 'Portugal 2020' e depois cerca de 6,7 mil milhões do Orçamento do Estado e o restante de outras fontes de financiamento, como o 'Plano Juncker' ou a partir do Banco Europeu de Investimentos. As medidas incidem em áreas como a educação, a inovação, a contratação de docentes, a abertura de vagas na rede pré-escolar, a atração de investimentos ancora, a aposta na mobilidade elétrica e na reabilitação urbana, e a concessão de melhores condições ao nível da inserção das empresas no mercado exportador", afirmou o membro do Governo.

Este documento, de acordo com Pedro Marques, constitui mesmo "um programa de ação para a modernização da economia portuguesa".

"Queremos alinhar o país por cima e não por baixo. É manifesto que não foi por via da degradação das condições laborais, sociais e da degradação salarial que Portugal conseguiu reganhar competitividade", declarou, numa crítica ao anterior executivo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.