Governo pressionado a vincular mais 3500 professores já em 2018

Bloco de Esquerda quer compromisso assumido em sede de negociação do Orçamento do Estado para 2018. PCP reclama uma solução mais ampla e o fim da "norma-travão" no acesso à vinculação

Entre vinculação extraordinária e a chamada "norma-travão", o Ministério da Educação terá integrado nos quadros 3000 a 3500 professores nos concursos externos deste ano. Mas os partidos que suportam o governo socialista exigem garantias de que o processo vai continuar. O Bloco de Esquerda inscreveu o tema do combate à precariedade docente nos assuntos a discutir em sede de negociação do Orçamen-to do Estado para 2018. E espera compromissos concretos já para o próximo ano.

"A vinculação extraordinária foi um momento importante porque deu um sinal de que é preciso resolver o problema da precariedade nas escolas", admitiu ao DN Joana Mortágua, do Bloco de Esquerda. "Mas esse sinal foi insuficiente. Desde logo porque os critérios que foram definidos só permitiram a vinculação de cerca de 3000 professores [aos quais acresceram perto de 400 através da norma-travão]", lembrou.

Ora, para o Bloco, o número de vagas foi insuficiente. Mesmo pelos padrões do Ministério da Educação. "Sabemos que hoje as necessidades permanentes do sistema - e é o próprio critério do governo que o diz - andavam à volta dos sete mil professores e é esse número que vamos levar para cima da mesa. É lógico que terão de se ter em conta as vinculações que foram feitas este ano", admitiu.

No fim de semana, na rentrée política do Bloco, a coordenadora do partido, Catarina Martins, apontou como meta até ao final da legislatura os 11 mil professores integrados nos quadros. Um número que, segundo Joana Mortágua, não é incompatível com os sete mil já em 2018 que avançou ao DN . "No fundo, o que a Catarina Martins diz é que o governo tem dois anos para o fazer", explicou Joana Mortágua. "De resto, a nossa meta, no final, é que todos os professores precários tenham a sua situação resolvida. E é para isso que vamos trabalhar", acrescentou.

Os 11 mil professores vinculados até 2019 aproximam-se dos números que a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) tinha posto em cima da mesa nas negociações que decorreram no final do passado ano letivo.

Na altura, a organização sindical apresentou uma proposta ao Ministério da Educação que contemplava a integração, ainda este ano, de todos os professores com 15 ou mais anos de serviço (entre 2300 e 3200), alargando-se o processo em 2018 aos que contassem 10 ou mais anos, elevando o total para 9700 a 11 500 professores. Finalmente, a partir de 2019, seriam integrados todos os professores que contassem mais de cinco anos de serviço e ainda estivessem a contrato.

O Ministério da Educação rejeitou esta proposta, aceitando a vinculação extraordinária de todos os professores que contabilizassem 12 anos de serviço mas com a condição de que estes tivessem trabalhado em horários anuais e completos em cinco dos últimos seis anos letivos, incluindo o último. Estas condicionantes, quer na vinculação extraordinária quer na chamada norma-travão (entrada automática nos quadros após quatro contratos seguidos anuais e completos), são o maior obstáculo a um consenso. Quer entre o governo e os sindicatos, quer entre o PS e os partidos que lhe dão apoio parlamentar. Porque bloqueiam o acesso aos quadros a docentes com muito tempo de serviço que, por um motivo ou outro, viram o seu percurso contratual interrompido. Por vezes apenas por alguns dias.

20 mil a 23 mil precários

Para o PCP, diz ao DN Jorge Pires, da comissão política, é imperioso o fim da norma-travão, "um es-cândalo da responsabilidade do PSD-CDS, que leva a situações como as que estão a acontecer: professores que tendo lecionado em dois grupos, ou tendo ficado no último ano com um horário incompleto devido a atrasos nos concursos, ficaram impedidos de vincular". De resto, para o PCP, a única solução aceitável é uma "contratação efetiva" que satisfaça todas as necessidades das escolas. Ou seja: a redução dos contratos a termo a situações residuais.

No ano passado - já depois de o anterior governo ter vinculado quatro mil docentes - as escolas públicas tiveram entre 23 e 26 mil contratados a termo. Este ano, nos concursos externos, foram contratados 2300 para horários anuais e completos, mas são esperadas muito mais contratações nas fases de recrutamento que se seguem - as reservas de recrutamento - a primeira das quais deverá terminar ainda antes do arranque do ano letivo, na próxima semana.

Segundo a Fenprof, poderão continuar a existir entre 20 e 23 mil precários no próximo ano letivo. E é nesse número, defendeu Jorge Pires, que os decisores políticos se devem concentrar. "Não se pode ter 23 mil precários e fazer propostas para vincular 3000. Não é justo nem resolve o problema", resumiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.