Governo pede cuidado nas estradas aos emigrantes que regressam de férias

Em mensagem dirigida aos emigrantes, governo aconselha "condução defensiva" e "sem excessos de velocidade e de carga, sem consumo de álcool e sem distrações tecnológicas"

O Governo apelou hoje aos emigrantes que pretendam regressar a Portugal este mês, em férias, para que tenham cuidado na viagem, em particular por estrada, evitando excessos de velocidade e de carga, sem álcool nem "distrações tecnológicas".

Numa mensagem dirigida aos emigrantes que tradicionalmente aproveitam o mês de agosto para regressar a Portugal e "revisitar a terra, a família e os amigos", os secretários de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Caneiro, e da Administração Interna, Jorge Gomes, pedem que os portugueses que viajam por estrada façam "uma condução defensiva" e "sem excessos de velocidade e de carga, sem consumo de álcool e sem distrações tecnológicas".

"Nunca se esqueçam do cinto de segurança e de fazer os necessários períodos de descanso", afirmam os dois governantes, em comunicado, que pedem ainda aos emigrantes que "circulem com a máxima precaução" pelas "maravilhosas aldeias, vilas e cidades, de modo a não colocar em perigo os peões e os ciclistas".

O Governo recorda ainda que os portugueses que residem no estrangeiro contam, em território nacional, com "uma cada vez maior rede de Gabinetes de Apoio ao Emigrante", instalados em 133 municípios e freguesias.

Os espaços destinam-se aos portugueses ainda emigrados, aqueles que já regressaram ou que irão regressar, bem como os que pretendem iniciar um processo migratório.

Os gabinetes funcionam numa lógica de Loja do Cidadão, onde os portugueses podem "tratar dos assuntos inerentes à vivência passada de emigrante (segurança social, equivalência de estudos, investimentos, duplas-tributações, etc.), bem como à intenção de iniciar uma experiência de emigração".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.