Governo pede cuidado nas estradas aos emigrantes que regressam de férias

Em mensagem dirigida aos emigrantes, governo aconselha "condução defensiva" e "sem excessos de velocidade e de carga, sem consumo de álcool e sem distrações tecnológicas"

O Governo apelou hoje aos emigrantes que pretendam regressar a Portugal este mês, em férias, para que tenham cuidado na viagem, em particular por estrada, evitando excessos de velocidade e de carga, sem álcool nem "distrações tecnológicas".

Numa mensagem dirigida aos emigrantes que tradicionalmente aproveitam o mês de agosto para regressar a Portugal e "revisitar a terra, a família e os amigos", os secretários de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Caneiro, e da Administração Interna, Jorge Gomes, pedem que os portugueses que viajam por estrada façam "uma condução defensiva" e "sem excessos de velocidade e de carga, sem consumo de álcool e sem distrações tecnológicas".

"Nunca se esqueçam do cinto de segurança e de fazer os necessários períodos de descanso", afirmam os dois governantes, em comunicado, que pedem ainda aos emigrantes que "circulem com a máxima precaução" pelas "maravilhosas aldeias, vilas e cidades, de modo a não colocar em perigo os peões e os ciclistas".

O Governo recorda ainda que os portugueses que residem no estrangeiro contam, em território nacional, com "uma cada vez maior rede de Gabinetes de Apoio ao Emigrante", instalados em 133 municípios e freguesias.

Os espaços destinam-se aos portugueses ainda emigrados, aqueles que já regressaram ou que irão regressar, bem como os que pretendem iniciar um processo migratório.

Os gabinetes funcionam numa lógica de Loja do Cidadão, onde os portugueses podem "tratar dos assuntos inerentes à vivência passada de emigrante (segurança social, equivalência de estudos, investimentos, duplas-tributações, etc.), bem como à intenção de iniciar uma experiência de emigração".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.