Governo passa 12 mil fogos de habitação social para as câmaras

Executivo estima que serão necessários 50 milhões de euros para a reabilitação futura destes imóveis

O governo prepara-se para transferir 12 291 casas de habitação social para a propriedade das câmaras municipais. É uma das medidas previstas no âmbito do processo de descentralização de novas competências para as autarquias. O executivo admite fazer acompanhar esta mudança de um pacote de cerca de 50 milhões de euros.

De acordo com o diploma setorial que deu entrada na Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), a que o DN teve acesso, é transferido para os municípios o "direito de propriedade sobre os bens imóveis, destinados à habitação social, que integram o parque habitacional da administração direta e indireta do Estado". Às autarquias competirá a gestão deste edificado. Assim como dos programas de apoio ao arrendamento urbano e à reabilitação urbana.

De acordo com números ontem avançados pelo secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, estão em causa 12 291 fogos de habitação social - "em que as rendas são calculadas em função do rendimento familiar e não em função das características do fogo" - a que acrescem 1258 frações não habitacionais integradas nos edifícios (por exemplo, arrecadações e garagens).

Empréstimos nas autarquias

Ouvido ontem no grupo de trabalho que, no parlamento, está a analisar o processo de descentralização, José Mendes admitiu que a transferência destes imóveis venha a ser acompanhada de um pacote financeiro para a reabilitação do edificado que atualmente está na posse do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU). Este tem sido, aliás, um cavalo de batalha da ANMP, que já veio dizer que a transferência de competências tem de ser acompanhada dos devidos meios financeiros, nomeadamente quando estejam em causa equipamentos que necessitem de reabilitação. De acordo com o secretário de Estado serão necessários cerca de 50 milhões de euros para reabilitar "o que falta reabilitar" na habitação social do Estado. "O Estado admite uma linha de financiamento com o Banco Europeu de Investimento (BEI) ou através do Orçamento do Estado" para que os municípios possam proceder à reabilitação, acrescentou.

No caso dos imóveis que já foram reabilitados - com verbas do BEI - José Mendes especificou que a intenção é que os encargos com os empréstimos contraídos - que se prolongam até 2025 - passe também para as autarquias. "Por ano o IHRU tem cerca de sete milhões de euros de rendas e, numa conta simples, dois milhões de euros de obrigações em relação ao BEI nos cerca de oito anos que faltam. Penso que há condições para transferir grande parte desta habitação social", sublinhou.

Atualmente, Estado central e autarquias dividem competências quanto à habitação social, com as câmaras a assumirem já um enorme peso nesta área. Em Lisboa, a câmara municipal - que é o maior proprietário imobiliário do país - detém cerca de 23 mil fogos de habitação social.

Além da habitação, também já está na ANMP o diploma setorial que transfere as competências das estruturas de atendimento ao cidadão, que implicará a passagem para os municípios da gestão das lojas do cidadão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.