MNE diz que remodelação de "colega e amiga" Margarida Marques não foi punição

Augusto Santos Silva descreveu a anterior secretária de Estado dos Assuntos Europeus como uma "colega e amiga"

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, afirmou hoje que a "remodelação" da sua "colega e amiga" Margarida Marques, anterior secretária de Estado dos Assuntos Europeus, "não significa nenhuma punição" e "muito menos pelos atrasos na transposição das diretivas".

"A remodelação não significa nenhuma punição, seja pelo tema A ou B, muito menos pelo tema relativo aos atrasos na transposição das diretivas, que são da responsabilidade do Governo no seu conjunto e não da responsabilidade de um ministro ou de um secretário de Estado", disse o ministro, em resposta ao PSD, numa audição na comissão parlamentar de Assuntos Europeus.

Santos Silva foi chamado ao parlamento pelos sociais-democratas para responder sobre os atrasos na transposição de diretivas comunitárias para a legislação nacional, uma das razões que foi apontada para a exoneração, na semana passada, de Margarida Marques, que a própria classificou como "surpreendente".

A remodelação do Governo, realizada na semana passada, significou 2a exoneração dos ocupantes dos cargos", afirmou o chefe da diplomacia portuguesa.

Sobre as alterações no Governo, o Diário da República referia, na semana passada, que os sete secretários de Estado que saíram foram "exonerados a seu pedido", apesar de Margarida Marques ter garantido, na quinta-feira, que esse não foi o seu caso.

"A fórmula usada pelo Presidente da República no decreto é uma fórmula de estilo", justificou hoje Santos Silva, quando questionado pelo PSD sobre esta discrepância.

"No caso do Ministério dos Negócios Estrangeiros, toda a gente sabe que um secretário Estado pediu a saída por razões que se prendem com a sua previsível notificação como arguido num processo judicial [Jorge Costa Oliveira, responsável pela Internacionalização], e a outra secretária de Estado foi objeto de uma remodelação", referiu Santos Silva.

O ministro escusou-se novamente a comentar a composição do Governo, mencionando que a escolha dos ministros "é da exclusiva responsabilidade do primeiro-ministro", enquanto os secretários de Estado resultam da "responsabilidade conjunta do primeiro-ministro e do ministro responsável".

"Quanto ao trabalho desenvolvido pela minha colega e amiga Margarida Marques, só tenho a agradecer a enorme dedicação e o trabalho realizado. Será um bom contributo para o parlamento e a vida parlamentar", disse o governante.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.