Governo já está reunido. E cidadãos já preparam perguntas a ministros

Conselho de Ministros extraordinário celebra dois anos de governo. À tarde, membros do executivo socialista responderão às perguntas de um painel de 50 cidadãos

Depois dos ministros terem chegado ao campus universitário de Santiago, em Aveiro desde as 10.20 - o primeiro-ministro, António Costa, foi o último a chegar, às 10.59 - o Governo já está reunido, no edifício da Reitoria da Universidade, num Conselho de Ministros extraordinário, que celebra dois anos de governo. É essa a hashtag inscrita no painel de uma sala do mesmo edifício, onde este domingo à tarde os membros do executivo socialista responderão às perguntas de um painel de 50 cidadãos.

Esta iniciativa já causou polémica, com PSD e CDS a pedirem para o Governo parar com o que apelidaram de "propaganda". O executivo socialista defende-se afirmando que esta é uma ação prevista no seu programa. De facto, na página 43 desse programa, no ponto dedicado a "reforçar os mecanismos de participação cívica, defesa dos direitos fundamentais e escrutínio das instituições públicas", estabelece-se que será feita uma "avaliação anual do cumprimento das promessas presentes no programa de governo, com a participação de um grupo de cidadãos escolhidos aleatoriamente de entre eleitores que se pré-inscrevam".

Num outro edifício do campus universitário de Santiago estão também reunidos os 50 cidadãos, a preparar a sessão de perguntas aos ministros e chefe de governo, numa iniciativa que está a ser coordenada pelo professor e politólogo da Universidade de Aveiro, Carlos Jalali.

A Universidade de Aveiro contratou uma empresa de estudos de mercado e sondagens, a Aximage, para a composição do painel destes cidadãos. A amostra é representativa de todo o país, conforme sublinhou fonte do executivo, mas o Governo desconhece a sua composição e que perguntas serão feitas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.