Governo estuda solução para introdução de portagens

O secretário de Estado dos Transportes disse hoje, em Alijó, que o Governo está a estudar uma solução para a introdução de portagens na Autoestrada Transmontana, que liga Vila Real a Bragança.

"Acontecerá uma de duas coisas: ou nós avançamos com o sistema de pórticos também na Transmontana ou, em alternativa, avançaremos com a outra solução que estamos a trabalhar, mas para a qual ainda não temos uma solução definitiva", afirmou Sérgio Monteiro, que falava no Pinhão, concelho de Alijó.

A Autoestrada Transmontana ficou concluída em setembro e, até ao momento, os automobilistas não pagam portagens em quase toda a sua extensão.

Os únicos troços portajados são as variantes de Bragança e Vila Real que têm como alternativa o atual Itinerário Principal 4 (IP4).

Sérgio Monteiro explicou que estão em curso projetos-piloto com vista a uma melhoria do atual sistema de portagens, em pórticos.

"Não temos ainda resultados conclusivos, daí que tivéssemos agora sido mais prudentes", salientou.

Ou seja, segundo referiu, não se iria introduzir o sistema de pórticos que existe nas outras autoestradas, para o mudar daqui a um mês ou dois, daí que não há ainda uma data para a introdução de portagens nesta via.

O secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações lembrou que o Governo é defensor do "princípio do utilizador pagador".

"Ninguém nos vê defender uma outra solução porque se não cai em cima dos utilizadores cai em cima dos contribuintes. Tenhamos noção que não há uma terceira via para pagar uma autoestrada", sublinhou.

A Autoestrada Transmontana foi construída no âmbito de uma parceria público-privada adjudicada, em 2008, ao consórcio liderado pela Soares da Costa, com um custo de 510 milhões de euros.

A denominação que os automobilistas encontram nas placas informativas é A4, pois a via corresponde ao prolongamento da autoestrada que já liga o Porto a Amarante e que foi realizado em duas empreitadas, as autoestradas do Marão e a Transmontana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.