Governo espera cinco mil novos contratos para doutorados nos próximos três anos

Questionado sobre as metas para o emprego científico, ministro melhorou a perspetiva anterior de três mil novos contratos

O ministro do Ensino Superior disse esta terça-feira no Parlamento que a estimativa do Governo é que até 2020 se possam celebrar cinco mil novos contratos com investigadores doutorados.

Durante a audição regimental pela comissão parlamentar de Educação e Ciência, o ministro, questionado pelo deputado socialista Porfírio Silva sobre as metas para o emprego científico em Portugal para os próximos anos, adiantou a nova estimativa de cinco mil novos contratos em três anos, melhorando a perspetiva anterior, que se fixava nos três mil novos contratos.

Referindo as possibilidades identificadas de estímulo ao emprego científico, como concursos das próprias instituições e candidaturas a fundos comunitários, aos quais acrescentou ainda apoios fiscais às empresas, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, disse que espera que nos próximos três anos se consiga "cinco mil novos contratos de investigadores com doutoramento".

Manuel Heitor manifestou-se ainda favorável à monitorização da evolução do emprego científico ao longo dos próximos anos pelo parlamento, uma hipótese sugerida pelo deputado socialista Porfírio Silva, e que o ministro espera que se concretize com o apoio das instituições de investigação e ensino superior.

O ministro rejeitou ainda críticas ao decreto-lei n.º 57 de agosto de 2016, que determina o regime de contratação de doutorados destinado a estimular o emprego científico, afirmando que "é um ótimo decreto" e que é um instrumento que vai ajudar no combate à precariedade.

"Dê-nos tempo que será resolvido. É um bom decreto, é um decreto razoável, responsável. Estamos abertos, sempre, a melhorá-lo", disse o ministro em resposta à deputada social-democrata Nilza de Sena.

Manuel Heitor defendeu que com este decreto o regime de contratação de doutorados em Portugal passará a ser "dos mais benéficos" da Europa, admitindo, no entanto, que não resolve o problema do acesso às carreiras.

O combate à precariedade foi um ponto comum nas questões levantadas pelos grupos parlamentares, com o ministro a apelar a um "combate conjunto": "Estamos no mesmo barco".

A deputada do CDS-PP Ana Rita Bessa recordou os 14 mil precários identificados no relatório do Governo sobre vínculos precários na administração pública que estão sob a alçada do ministério de Manuel Heitor para dizer ao ministro que "se abrir uma frente negocial nesta matéria, é preciso que ela seja sustentável e que exista uma verba para que ela se possa resolver".

Ana Rita Bessa disse estar preocupada com a possibilidade de o regime de regularização de vínculos vir a "criar expectativas e mesmo direitos jurídicos" entre os abrangidos, para que depois as universidades acabem por dizer que não têm meios para eliminar a precariedade.

Já Luís Monteiro, do Bloco de Esquerda, lembrou a situação dos professores convidados nas instituições de ensino superior, referindo que são os dados da Direção-Geral de Estatísticas de Educação e Ciência que apontam para um crescimento destes casos.

"É necessário com muita clarividência e coragem política inserir a questão dos professores convidados no programa de regularização de vínculos", defendeu o deputado bloquista, que acrescentou que não se pode ter "uma confiança cega naqueles que são os responsáveis por essa precariedade" -- as universidades.

Na resposta, Manuel Heitor afirmou que "não é admissível em Portugal que haja professores convidados a mais de 50% [das horas que constituem um horário completo]".

"Não é admissível em nenhuma instituição e temos que garantir que essas situações não se passam", disse o ministro que adiantou que a situação está a ser abordada junto de universidades e politécnicos "detalhadamente", garantindo ainda aos deputados que "podem contar" com a ação "diária e sistemática" do ministério nesta matéria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.