Início das obras na ponte 25 de Abril está "em bom ritmo"

A ministra da Presidência esclareceu hoje que "os mecanismos de decisão, aprovação e criação de concursos não são instantâneos", considerando que "está em bom ritmo" o processo do início das obras na ponte 25 de Abril.

Na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros de hoje, Maria Manuel Leitão Marques foi questionada sobre a notícia avançada hoje pela revista Visão sobre a existência de um relatório do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) a alertar para riscos graves de segurança na ponte 25 de Abril, em Lisboa, e o porquê do Governo só avançar agora com o lançamento do concurso.

"Quero dizer-lhe, como deve saber, que os mecanismos de decisão e de aprovação e criação de concursos não são instantâneos. Creio que a decisão do Governo está adequada aquilo que são as informações técnicas que tem porque evidentemente quando é preciso reagir instantemente também temos mecanismos de urgência", explicou.

Está em bom ritmo o início das obras de recuperação da ponte 25 de Abril

Interrogada sobre o facto de o LNEC ter entregado este relatório há um mês e o lançamento do concurso ter sido anunciado apenas na quarta-feira, já depois do fecho da edição da referida revista, Maria Manuel Leitão Marques foi perentória: "é uma coincidência".

Sobre as informações de que o Governo dispõe sobre o estado atual das condições de segurança da ponte 25 de Abril, Maria Manuel Leitão Marques remeteu para os esclarecimentos que disse já terem sido prestados pelo ministro do Planeamento e o seu gabinete uma vez que este tema não foi discutido em Conselho de Ministros.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.