Governo cria programa para captar alunos estrangeiros

Consulados e embaixadas vão apoiar a promoção internacional de Portugal como destino de estudantes, num novo programa (Study in Portugal) que será lançado em janeiro

Nos últimos anos, as universidades e institutos politécnicos têm feito um investimento considerável para captar alunos estrangeiros. Tanto nos programas de curta duração, como o Erasmus, como em cursos completos de licenciatura e mestrados, os números subiram significativamente, ultrapassando os 31 mil estudantes no total das ofertas. Agora, o governo quer juntar-se ao esforço, através de um programa centralizado de promoção de Portugal como destino de estudantes.

"No último Conselho de Ministros, aprovámos uma resolução, a publicar em Diário da República [nesta semana], para lançar na Direção-Geral do Ensino Superior [DGES] o programa Study in Portugal", revelou ao DN o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor. "É um programa para estimular a cooperação entre a DGES, as embaixadas e as missões diplomáticas, para melhor articular os esforços que já estão a ser feitos", acrescentou, dando os exemplos de países como "o Reino Unido, a Suíça - muito ativa nos seus consulados - e a Alemanha" como fontes de inspiração para esta medida.

Manuel Heitor não quis adiantar qual será o valor atribuído ao programa, que arranca no início do próximo ano, explicando que este "conjuga os orçamentos e dotações da DGES, sobretudo para essas funções", e que a verba necessária "já está no orçamento global da DGES" previsto na proposta de Orçamento do Estado para 2017. "Podemos dizer que é pouco", admitiu, "mas a ideia é, dentro do quadro daquela que é a missão do ministério, pormos uma ênfase que nunca tinha sido colocada nestas iniciativas, que já vêm sendo desenvolvidas, num trabalho de todos os dias, pelas universidades e institutos politécnicos".

"Longo caminho a percorrer"

Para António Cunha, reitor da Universidade do Minho e presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), "tudo o que seja promover o nome de Portugal pelo mundo, e articular a nossa capacidade com a ajuda da nossa rede diplomática, para promover o país como destino para formação superior, é positivo". No entanto, avisou, serão necessários grandes esforços para atingir o nível de competitividade de outros países nestas áreas: "Temos um longo caminho a percorrer. Portugal tem boas universidades, que têm boa qualidade, mas ainda não é reconhecido como mercado de formação no ensino superior."

O certo é que, nomeadamente após a aprovação do Estatuto do Estudante Internacional - que permite às universidades e politécnicos cobrarem propinas de valor mais elevado, próximo do preço de custo, a alunos não oriundos nem da União Europeia nem dos países de língua portuguesa, que têm estatuto equiparado aos nacionais -, as instituições têm intensificado os seus esforços de internacionalização, com um crescimento de cerca de 50% nos alunos internacionais no espaço de seis anos.

De acordo com os últimos dados da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e da Ciência, em 2015-16 frequentaram as instituições do ensino superior portuguesas 13 282 estudantes estrangeiros nos chamados programas de modalidade de crédito, como o Erasmus, em que os alunos fazem parte dos seus cursos no país, sendo essa aprendizagem creditada no curso que estão a frequentar no país de origem. Quanto aos inscritos na mobilidade de grau (cursos completos, ainda que possam não os concluir no país), ascenderam a 19 445. Ou seja: 5,4% de todos os inscritos no ensino superior no ano passado.

O setor público domina a procura (78,7%) e, dentro deste, são as universidades (80,6%) que mais atraem estudantes estrangeiros, que dão preferência às áreas de ciências sociais, comércio e direito e engenharia, indústrias transformadoras e construção.

Por nacionalidades, Brasil (32,7%), Angola (13,9%) e Cabo Verde (11,3%) dominam as inscrições em cursos - um dos objetivos das instituições é chegar a outros mercados sul-americanos e ao asiático. Já no Programa Erasmus, Portugal é o oitavo destino mais popular entre estudantes europeus, com espanhóis, italianos, polacos e alemães a dominarem a lista dos que mais nos procuram.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.