Governo cria grupo de trabalho para avaliar benefícios fiscais

Foi aprovada em Conselho de Ministros uma proposta de lei que prorroga temporariamente a vigência de determinados benefícios fiscais.

O Governo vai criar um grupo de trabalho para avaliar o sistema de benefícios fiscais e definir os que interessa manter e os que serão revogados, disse o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, após o Conselho de Ministros.

O Governo aprovou hoje, em Conselho de Ministros, uma proposta de lei que prorroga temporariamente a vigência de determinados benefícios fiscais.

Em conferência de imprensa, após a reunião, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, não especificou quais os benefícios fiscais que o Governo propõe que continuem numa base transitória.

Segundo o Governante, o que acontece é que há 15 benefícios fiscais (artigos 19, 20, 26, 28, 29, 30, 31, 47, 50, 51, 52, 53, 54, 63 e 64 do Estatuto dos Benefícios Fiscais), em que se incluem a isenção de imposto municipal sobre imóveis (IMI) para parques de estacionamento subterrâneos ou incentivos à criação de emprego, que vigoraram durante cinco anos mas que já caducaram, sendo necessário criar uma norma transitória para aqueles que se quer prorrogar.

"A avaliação [no grupo de trabalho] começará muito em breve e [a proposta de lei hoje aprovada] é apenas um ponto transitório relativamente à eventual prorrogação de alguns benefícios fiscais", afirmou Mendonça Mendes.

O governante não quis dizer, mesmo após insistência, quais os benefícios fiscais que o Governo propõe que continuem temporariamente (ainda que com eventuais alterações) e os que propõe que sejam revogados, referindo este é "o tempo da Assembleia da República".

"Esta é a proposta do Governo e caberá à Assembleia da República decidir. Nuns casos propõe-se a prorrogação numa base transitória, noutros casos propõe-se a alteração com base transitória e noutros casos propõe-se a revogação", afirmou.

O governante disse ainda que a proposta chegará ao Parlamento este mês acompanhada pelo relatório que a fundamentou, referindo que o Executivo está de "espírito aberto" para debater o tema com o Parlamento de modo a que saia "a melhor lei e que melhor sirva os interesses de todos".

Quanto à avaliação global ao sistema de benefícios fiscais, António Mendonça Mendes espera que, em 2019, esteja pronto um estudo que sirva de base para uma revisão do atual sistema.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.