Governo cria grupo de trabalho para avaliar benefícios fiscais

Foi aprovada em Conselho de Ministros uma proposta de lei que prorroga temporariamente a vigência de determinados benefícios fiscais.

O Governo vai criar um grupo de trabalho para avaliar o sistema de benefícios fiscais e definir os que interessa manter e os que serão revogados, disse o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, após o Conselho de Ministros.

O Governo aprovou hoje, em Conselho de Ministros, uma proposta de lei que prorroga temporariamente a vigência de determinados benefícios fiscais.

Em conferência de imprensa, após a reunião, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, não especificou quais os benefícios fiscais que o Governo propõe que continuem numa base transitória.

Segundo o Governante, o que acontece é que há 15 benefícios fiscais (artigos 19, 20, 26, 28, 29, 30, 31, 47, 50, 51, 52, 53, 54, 63 e 64 do Estatuto dos Benefícios Fiscais), em que se incluem a isenção de imposto municipal sobre imóveis (IMI) para parques de estacionamento subterrâneos ou incentivos à criação de emprego, que vigoraram durante cinco anos mas que já caducaram, sendo necessário criar uma norma transitória para aqueles que se quer prorrogar.

"A avaliação [no grupo de trabalho] começará muito em breve e [a proposta de lei hoje aprovada] é apenas um ponto transitório relativamente à eventual prorrogação de alguns benefícios fiscais", afirmou Mendonça Mendes.

O governante não quis dizer, mesmo após insistência, quais os benefícios fiscais que o Governo propõe que continuem temporariamente (ainda que com eventuais alterações) e os que propõe que sejam revogados, referindo este é "o tempo da Assembleia da República".

"Esta é a proposta do Governo e caberá à Assembleia da República decidir. Nuns casos propõe-se a prorrogação numa base transitória, noutros casos propõe-se a alteração com base transitória e noutros casos propõe-se a revogação", afirmou.

O governante disse ainda que a proposta chegará ao Parlamento este mês acompanhada pelo relatório que a fundamentou, referindo que o Executivo está de "espírito aberto" para debater o tema com o Parlamento de modo a que saia "a melhor lei e que melhor sirva os interesses de todos".

Quanto à avaliação global ao sistema de benefícios fiscais, António Mendonça Mendes espera que, em 2019, esteja pronto um estudo que sirva de base para uma revisão do atual sistema.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.