Governo atribui 1,5 mil milhões à investigação científica e ligação a empresas

Até 2020 pretende-se aumentar o investimento em Investigação e Desenvolvimento em percentagem do PIB para um valor entre 2,7 e 3,3%

Portugal vai investir até 2020 mais de 1,5 mil milhões de euros na capacitação de instituições científicas e tecnológicas e reforço da cooperação destas com as empresas, segundo o Programa Nacional de Reformas hoje aprovado.

Ao todo, disse o ministro do Planeamento em conferência de imprensa, o Programa vai absorver 25 mil milhões de euros até 2020, sendo cerca de metade em fundos comunitários e 6,7 mil milhões em comparticipação nacional.

Até 2020 pretende-se aumentar o investimento em Investigação e Desenvolvimento em percentagem do PIB para um valor entre 2,7 e 3,3%, depois de já se ter atingindo em 2009 1,58% do PIB e de se ter descido continuamente a partir de 2010 (1,39 por cento em 2014), segundo o Programa Nacional de Reformas (PNR).

Pretende-se, diz-se ainda, promover a Investigação e Desenvolvimento e a transferência de conhecimento para as empresas, através de "Laboratórios Colaborativos" e Centros Tecnológicos e de Engenharia.

É objetivo ainda internacionalizar e capacitar as infraestruturas e promover o reequipamento científico e tecnológico.

Quer-se nomeadamente, segundo o PNR, reforçar a capacidade dos centros tecnológicos e das empresas com "recursos humanos altamente qualificados (contratados por empresas e "laboratórios colaborativos"), e estabelecer contratos de inovação empresarial e de investigação e desenvolvimento empresarial.

"Reforço da capacidade dos 57 centros de Investigação e Desenvolvimento através do apoio a mais de 2.500 projetos que promovam o aumento da produção científica e tecnológica de qualidade reconhecida internacionalmente", é também preconizado no documento.

O PNR salienta que mesmo tendo em conta "os investimentos realizados no reforço das qualificações e na recuperação do atraso científico e tecnológico nas últimas décadas", há ainda por aproveitar "um enorme potencial de recursos" para a construção de uma economia mais competitiva, inovadora e regionalmente coesa.

"É necessário fomentar a relação entre ciência e tecnologia e a inovação, com a implementação de ações de reforço e promoção da interoperabilidade dos repositórios, das redes e infraestruturas científicas digitais, na economia para retomar a trajetória de diversificação das exportações, promovendo uma maior incorporação de valor nacional, reforçando as dinâmicas de substituição de importações e de promoção do consumo de produtos nacionais", diz-se no documento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.