Em linha reta, decretos-leis ultrapassados ocupariam mais de um quilómetro

Diplomas revogados correspondem a 5200 páginas do Diário da República que se fossem impressas pesariam 27 quilogramas

O Conselho de Ministro aprovou hoje duas iniciativas legislativas para que, no total, sejam eliminados 2.270 decretos-leis obsoletos dos anos 1975 a 1980, que correspondem a mais de cinco mil páginas do Diário da República que agora desaparecem.

O cenário do 'briefing' do Conselho de Ministros foi hoje diferente daquele que tradicionalmente se vê por detrás dos membros do executivo que anunciam aos jornalistas as decisões tomadas pelo Governo: uma obra do artista plástico Bordallo II que criou uma composição abstrata resultante da fusão das palavras "Futuro e Passado" e para a qual usou desde antigos exemplares do Diário da República a peças tecnológicas como computadores, teclados ou monitores.

O Revoga + hoje aprovado em Conselho de Ministros - medida que tinha sido noticiada pela agência Lusa a 30 de janeiro - insere-se no programa Simplex + e tem como objetivo, como explicou aos jornalistas o secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Tiago Antunes, a "limpeza do ordenamento jurídico e a despoluição normativa".

Para revogar estes 2.270 diplomas que estão ultrapassados pelo tempo e já não fazem sentido, dos anos 1975 a 1980, o Conselho de Ministros aprovou hoje um decreto-lei que declara a não vigência de 1.449 diplomas, cuja limpeza pode ser efetuada diretamente pelo Governo.

No caso dos 821 decretos-leis cuja limpeza é da responsabilidade da Assembleia da República, o Conselho de Ministros submeteu ao parlamento uma proposta de lei na qual proclama a não vigência dos referidos diplomas.

Tiago Antunes deu ainda conta da "vantagem adicional" que se prende com o facto de, no Diário da República Eletrónico, estes decretos passarem "a ter uma etiqueta que diz revogado", deixando assim de haver dúvidas para quem consulta a legislação.

E como a melhor forma de explicar esta limpeza é permitir visualiza-la, o secretário de Estado detalhou que estes diplomas revogados correspondem 5200 páginas do Diário da República, que se fossem alinhadas atingiriam uma distância de mais de um quilómetro e que pesariam, quando impressas, 27 quilogramas.

O Governo comprometeu-se a prosseguir com esta limpeza do ordenamento jurídico, anunciado iniciativas semelhantes para diplomas posteriores ao do período que agora esteve em causa.

O levantamento dos decretos-leis a eliminar tem vindo a ser feito, de acordo com o Governo, "ao longo de vários meses, por uma equipa especializada e exclusivamente dedicada a tal tarefa, no âmbito do Centro de Competências Jurídicas do Estado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.