"Governo anterior fez mais cativações e falhou metas orçamentais"

Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares disse que executivo PSD/CDS-PP fez mais cativações que atual governo e acusou PSD de "inventar o tema" para desviar a atenção

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, advogou hoje que o executivo PSD/CDS-PP fez mais cativações orçamentais em 2014 e 2015, e para além disso falhou as metas orçamentais estipuladas com a Comissão Europeia.

"Os senhores cativaram mais para além dos cortes em salários, pensões, direitos, e o aumento de impostos, e falharam as metas orçamentais", vincou o governante, dirigindo-se à deputada do PSD Maria Luís Albuquerque, que antes interveio, num debate de atualidade agendado pelos sociais-democratas.

E prosseguiu, ainda dirigindo-se ao PSD: "Os serviços públicos estão bem? Não, têm muitos problemas. Descobriram agora?"

Pedro Nuno Santos diz que o debate marcado pelos "laranjas" surge pela "incapacidade do PSD de fazer o debate sobre o Orçamento do Estado para 2017", o que motivou o partido a "inventar o tema" para desviar a atenção do Orçamento.

Depois, o secretário de Estado realçou ainda que é "aceitável" que para o PSD seja incompreensível que um "Governo apoiado por socialistas, comunistas, bloquistas e ecologistas" se prepare "para cumprir a meta orçamental acordada por Bruxelas", mais a mais "sem cortar salários, pensões e sem aumentar de forma brutal os impostos".

"Esta é também uma razão plausível para que a direita não queira fazer este debate", sublinhou, acrescentando que as cativações são um "instrumento de gestão orçamental, são medidas de gestão corrente, quotidiana".

Em 2015, com PSD e CDS-PP, foram inscritos no Orçamento 542 milhões de euros de cativações e em 2014 tal valor foi de 578 milhões, disse ainda Pedro Nuno Santos, fazendo uma comparação com os 445 milhões apresentados agora a Bruxelas.

A vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque havia declarado antes que o Governo "tem de esclarecer o parlamento e o país" sobre as cativações de 445 milhões de euros apresentadas a Bruxelas, querendo o partido saber que despesas serão afetadas.

"Que despesas deveriam ser pagas com estes 445 milhões de euros que afinal não vão acontecer, nem agora nem nunca?", interrogou a social-democrata, no parlamento.

Maria Luís Albuquerque falava no arranque de um debate de atualidade no plenário da Assembleia da República sobre as implicações das cativações orçamentais nos serviços públicos, debate agendado pelo PSD.

O Governo, instou a antiga ministra das Finanças, tem de esclarecer "onde incidem então as cativações de 445 milhões de euros, apresentadas a Bruxelas como uma das medidas para assegurar o cumprimento do défice deste ano, e que se tornam permanentes porque o Governo quer que contem como medida estrutural".

E concretizou: "PS, PCP e Bloco falharam redondamente na sua estratégia económica e orçamental", acabando por "condenar os serviços públicos a situações que nem a pré-bancarrota, nem o programa da 'troika', alguma vez provocaram".

As cativações orçamentais foram um dos temas discutidos na terça-feira durante a audição do ministro das Finanças, Mário Centeno, nas comissões parlamentares de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa e do Trabalho e Segurança Social a propósito da discussão na generalidade da proposta orçamental para 2017.

Na audição, o secretário de Estado do Orçamento, João Leão, assegurou que a cativação de 445 milhões de euros prevista para este ano já estava incluída no orçamento e que este valor de despesa cativada será inferior ao dos dois anos anteriores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.