Governo admite helicópteros e 'drones' a fiscalizar velocidade na estrada

Número de mortos nas estradas aumentou em Portugal no ano passado. Governo estuda soluções para contrariar aumento da sinistralidade

O Governo pondera vir a usar helicópteros da Proteção Civil ou 'drones' para fazer controlo de velocidade nas estradas, admitindo também instalar mais radares e inibir o sinal de telemóvel ao volante.

O secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, falava aos jornalistas à margem da apresentação de um estudo sobre condutores do Automóvel Clube de Portugal de medidas para contrariar o "preocupante" aumento do número de mortos nas estradas no ano passado, travando uma tendência de cada vez menos sinistralidade grave.

"É uma das soluções seguidas em Espanha e França e há a possibilidade também cá termos esse modelo", declarou, afirmando que há "tecnologias muito evoluídas" e relativamente simples que poderão equipar "os helicópteros que estão ao dispor da Autoridade Nacional de Proteção Civil" para serem usados na fiscalização de velocidade.

Numa avaliação prévia, o Governo está a encará-la como "uma boa solução" para enfrentar o problema da velocidade excessiva que provoca acidentes.

A tutela estuda também "aplicações com as operadoras para diminuir o uso de telemóvel", incluindo "inibições de sinais" com respostas automáticas para chamadas recebidas que indicam que "o condutor está ao volante e não pode atender a chamada".

Assim se pretende evitar "um dos principais fatores de acidentes, as colisões e despistes que resultam, não da estrada, mas do uso do telemóvel.

As soluções mãos livres podem "limitar o uso da mão, mas não resolvem o problema da distração".

"O alargamento da rede de radares, reduzir o limite de velocidade para 30 quilómetros por hora em alguns locais e a georreferenciação de locais de acidentes recorrentes" são outras medidas que se admitem para cumprir o Plano Nacional de Segurança Rodoviária e voltar a reduzir os números da sinistralidade.

Segundo números provisórios da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, em 2017 morreram 509 pessoas nas estradas portuguesas, mais 64 do que em 2016, e os feridos graves aumentaram de 2102 para 2181.

José Artur Neves salientou o facto de 54% das mortes terem ocorrido dentro de localidades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.