Governo abre mais 70 salas de pré-escolar mas ainda há falhas na rede

Criados lugares para até mais 1750 crianças. É o segundo reforço consecutivo mas a Grande Lisboa ainda está sob pressão

Depois de ter ampliado a rede do pré-escolar com uma centena de salas, em 2016/17, o Ministério da Educação confirmou ao DN novo reforço para o ano letivo que está prestes a arrancar. "Para responder à procura das famílias, foram este ano criadas mais de 70 salas em pré-escolar - até 1750 lugares - a grande maioria na região de Lisboa e Vale do Tejo", informou o gabinete do ministro Tiago Brandão Rodrigues. Ainda assim, ao que o DN apurou, continuam a existir zonas onde a capacidade instalada está longe de responder à procura pelas famílias. Nomeadamente na área metropolitana da capital.

Setenta salas correspondem a um máximo de 1750 lugares, tendo em conta a lotação autorizada de 25 alunos por sala (20 quando existem estudantes com necessidades educativas especiais). Mais do que o próprio governo tinha previsto para este ano letivo.

Em julho, durante uma audição na Assembleia da República, a secretária de Estado adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, anunciou um reforço de 50 salas - tendo em vista o cumprimento da meta de assegurar a 100% a cobertura do pré-escolar aos três anos de idade , precisando que os concelhos abrangidos seriam Almada, Seixal, Lisboa, Oeiras, Cascais e Sintra.

Mas segundo contas feitas pelo DN em abril, a carência na área Metropolitana de Lisboa chegaria aos 3000 lugares. E de facto, de acordo com informações recolhidas pelo nosso jornal, continuam a existir bolsas de carência de oferta. Nomeadamente nos municípios agora reforçados. E também casos em que é difícil de explicar como alguns alunos entraram numa escola e outros foram deslocados para estabelecimentos mais distantes das suas residências.

Em Lisboa cidade, segundo Jorge Ascensão, da Confederação Nacional das Associações de pais (Confap), "confirma-se" que continuam a existir problemas, especialmente "em escolas mais procuradas", nomeadamente "na zona do Oriente [Parque das Nações] e em Benfica".

José Gonçalves, representante na Confap da Associação de Pais da escola Gonçalves Crespo, da Pontinha, confirmou que foram recebidas queixas relacionadas com casos de alegadas moradas falsas.

"Um pai, que mora ao lado do Parque das Nações, ficou a saber que a filha não tem lugar na escola mas denunciou que entretanto veio a saber que uma parte significativa das vagas tinham sido preenchidas por pessoas que não eram de lá", contou. "Em Benfica passou-se exatamente a mesma coisa", acusou. "Os pais querem aquelas escolas e sabem que, se os alunos entrarem no pré-escolar, já não saem de lá", acrescentou, recordando o caso de um morador que chegou a abrir um anúncio no OLX "para se oferecer como encarregado de educação" de alunos.

Mas além destas situações pontuais, acrescentou, existem sinais "claros" de que a oferta pública é muito deficitária: "Em toda a Grande Lisboa há muitas IPSS [instituições particulares de solidariedade social]. havendo tantas IPSS, isso quer dizer que a oferta escolar oficial não existe. Dois mais dois são quatro", concluiu, sublinhando que esta são IPSS "que os pais pagam" e não as parcerias que o governo chegou a admitir fazer com o setor.

No Seixal, segundo apurou o DN, também estão a registar-se dificuldades no acesso ao pré-escolar. Num dos agrupamentos do concelho ficaram sem lugar cerca de cem crianças, cuja admissão teria implicado a abertura de quatro salas adicionais. Não foi no entanto possível confirmar se estas crianças - ou a maioria delas - teriam quatro anos ou três. O DN contactou a vereadora municipal com o pelouro da Educação mas não foi possível ter respostas em tempo útil.

Crianças de três anos recusadas?

Ao contrário dos quatro e cinco anos de idade, a oferta universal de pré-escolar aos três anos de idade, como recordou o Ministério da Educação na resposta enviada ao DN, "é um objetivo da atual legislatura", que termina em 2019, pelo que não existe da parte da tutela um a obrigação formal de a assegurar já no próximo ano letivo. No entanto, a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), acusou no final do ano letivo o Ministério da Educação de estar a levar esta margem ao extremo de condicionar o acesso de crianças destas idades.

Uma acusação que a organização sindical, referindo "denúncias de vários sítios", mantém: "O Ministério da Educação terá dado ordem para que estes alunos - que ainda por cima estão previstos no despacho das matrículas - não integrassem as turmas, ficando estas esgotadas com os quatro e cinco anos", disse ao DN Júlia Vale, da Fenprof, acrescentando que em alguns casos a recusa terá sido mantida mesmo depois de os agrupamentos terem dito que as matrículas não implicariam "uma nova sala, um educador ou um auxiliar".

Questionado pelo DN, o Ministério garantiu que "não existe nenhuma orientação para que as escolas, havendo vagas nos respetivos estabelecimentos (aferidas de acordo com as prioridades legalmente estabelecidas), recusem a matrícula a alunos com três anos de idade na educação pré-escolar". E a denúncia também não foi confirmada pelos diretores ouvidos pelo DN.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.