Governo a cumprir tudo o que prometeu ou "esgotado" e sem estratégia para o país?

Costa e os seus ministros reúnem hoje em Aveiro. PSD e CDS pedem cancelamento de iniciativa lateral com perguntas de cidadãos

O governo, liderado por António Costa, celebra hoje dois anos de mandato em Aveiro. Um Conselho de Ministros de reflexão política, ou talvez um toca a reunir depois de semanas de casos polémicos, mas que deverá apontar algumas metas para o futuro. Também uma reunião rodeada de polémica, com o PSD e o CDS a exigirem o cancelamento de uma iniciativa lateral, uma sessão de perguntas com um painel de cidadãos, depois de se saber, pelo semanário Sol, que os participantes foram pagos. O executivo mantém a iniciativa na agenda, dizendo que estes cidadãos foram mobilizados por uma empresa de sondagens, a Aximage, como painel de um estudo de avaliação do governo, encomendado pelo executivo à Universidade de Aveiro. Por isso, aliás, desconhece a identidade das pessoas escolhidas e que perguntas farão.

À esquerda, os dois próximos anos são vistos como um desafio à consolidação dos ganhos do crescimento económico, à direita é um ciclo em que as contradições entre o PS e os partidos que apoiam o governo, PCP e BE, se tornarão mais evidentes. Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS, garante ao DN que os próximos dois anos são os da consolidação das contas públicas, de crescimento económico, de criação de mais emprego e da estabilidade política e das famílias. "O desafio é no pós-quadro comunitário 2020 conseguir que os fundos comunitários ajudem a alavancar a economia", afirma. A também deputada socialista afirma que o governo tem uma agenda bem definida para canalizar esses fundos para a educação e inovação, sobretudo do tecido económico. "O maior desafio é chegar ao final da legislatura com o programa de governo completamente cumprido, porque só assim conseguiremos manter a credibilidade."

O antigo líder do Bloco de Esquerda Francisco Louçã não antevê grandes dificuldades orçamentais em 2018, mas admite que o cenário internacional é imprevisível. Diz que o governo só provocou tensões com PCP e BE quando "improvisou" e afirma que "há um vazio de poder à direita" que beneficia o executivo: "A única oposição com que o governo negoceia e tem medo são as associações patronais." A própria UE tem e terá, por razões internas e do "sucesso da política" portuguesa, "muito cuidado" a lidar com o país, diz.

Dos desafios que o governo terá de enfrentar, Francisco Louçã destaca a capacidade de se reorganizar, depois do "desgaste" sofrido e dos erros cometidos. Cita os incêndios e a polémica do Infarmed, mas também o caso do Panteão Nacional. "O nervosismo por causa do Panteão Nacional, que tem valor simbólico e vagamente ridículo, em que foi o primeiro-ministro a reagir, revelou que há tensão e medo das redes sociais e da comunicação social." Portanto, "o governo está mal organizado e responde à gestão do dia-a-dia". Uma eventual remodelação "algum dia terá de acontecer". Para Louçã, as questões sociais são as que vão marcar a segunda metade da legislatura. Questões como o regime contributivo para a Segurança Social, contratação coletiva, Serviço Nacional de Saúde, entre outras.

As vozes mais à direita falam de um "governo esgotado". O deputado do PSD Miguel Morgado afirma que estes dois anos vão mostrar ainda mais que "não há uma estratégia para o país", apesar de todo o contexto económico favorável, inédito em 15 anos. "É um mal original deste governo, a ideia de consolidar o seu poder com um discurso e medidas que colhem popularidade", em parte alicerçadas na reversão do que o anterior governo fez.

Já o vice-presidente do CDS Adolfo Mesquita Nunes afirma que nestes primeiros anos de mandato o executivo apostou na reposição de rendimentos e cortou nos serviços públicos, "o que tem um efeito mais difuso no tempo". Hoje, diz, "é evidente essa realidade e vai ser ainda mais no futuro", por pressão do BE e do PCP, o que "reforça a razão da oposição". "A governação socialista vai parecer-se com a de José Sócrates, dar tudo a todos, sem olhar ao futuro".

As relações do governo com o Presidente da República vão ainda marcar o clima político até 2019. Para Adolfo Mesquita Nunes, Marcelo Rebelo de Sousa tem tido e vai manter "um papel constante", o de emitir um juízo final sobre a governação do país. Francisco Louçã diz que as eventuais tensões que venham a acontecer derivam do "excesso de atuação governista" de Marcelo. Ana Catarina Mendes apenas vislumbra que Belém e São Bento se vão continuar a "respeitar" e "apoiar" institucionalmente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.