Marcelo: "Gostaríamos de continuar a confiar nos EUA"

O Presidente da República afirmou hoje que Portugal gostaria de "continuar a confiar nos Estados Unidos da América", numa intervenção em que salientou a importância dos valores da confiança e do conhecimento mútuo para as relações bilaterais.

"Sabemos que toda a verdadeira aliança e amizade tem de ser cultivada todos os dias. E que atos e omissões unilaterais devem visar reforçá-la e não enfraquecê-la. Mas estamos naturalmente cientes de que o significado destes gestos só pode ser inteiramente apreendido se houver conhecimento mútuo, empatia e é por isso que temos vindo a apostar em dar-nos a conhecer melhor nos Estados Unidos da América", declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

Marcelo Rebelo de Sousa, que falava no encerramento da conferência "Os Estados Unidos e Portugal: Uma Parceria para a Prosperidade", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, subscreveu a ideia defendida pelo primeiro-ministro, António Costa, na sessão de abertura deste encontro, de que Portugal pode ser uma "segunda casa" para investidores norte-americanos após a saída do Reino Unido da União Europeia.

O chefe de Estado apresentou Portugal como "a primeira porta da América do Norte para a União Europeia do futuro" e como "um país fiável, que trilha um caminho consistente, que foi capaz de lidar com a crise".

Neste contexto, sustentou: "Como dizia o senhor primeiro-ministro esta manhã, o destino ideal para investimento americano na nova Europa pós-Brexit".

Perante o embaixador norte-americano em Lisboa, George E. Glass, o Presidente da República apontou a confiança como um valor fundamental no plano das relações bilaterais e realçou que Portugal foi "o primeiro país neutral" a reconhecer a independência dos Estados Unidos da América: "Tratou-se de um gesto político ousado na altura, porque a Inglaterra era o nosso mais velho aliado. Isso não obstou à decisão que tomámos".

"Nós confiámos. Percebemos que podíamos continuar a confiar. E gostaríamos de continuar a confiar nos Estados Unidos da América, independentemente das conjunturas políticas específicas dos nossos percursos históricos. Nós confiamos em vocês, confiem em nós de volta", acrescentou.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.