Apreendido tabaco ilegal avaliado em mais de 23 mil euros

A operação resultou na apreensão, num café em Pedroso, Vila Nova de Gaia, de mais de 100 mil cigarros manufaturados e de 7,5 quilos de folha de tabaco triturada

A GNR apreendeu na quarta-feira, num café em Pedroso, Vila Nova de Gaia, mais de 23 mil euros em tabaco ilegal, no âmbito de um inquérito de contrabando que decorre há oito meses, foi divulgado esta quinta-feira.

O comandante do Destacamento de Ação Fiscal do Porto da GNR, Babo Nogueira, disse à Lusa que o tabaco era vendido, sem o pagamento de qualquer imposto, naquele café diretamente aos clientes mas também a "revendedores", que o comercializavam noutros locais.

Foram ainda apreendidos 50 litros de aguardente

A operação resultou na apreensão de mais de 100 mil cigarros manufaturados e de 7,5 quilos de folha de tabaco triturada, que dariam para produzir cerca de 7.500 cigarros.

Foram ainda apreendidos 50 litros de aguardente.

A operação traduziu-se em duas buscas em residências e duas em garagens "que serviam como armazém".

O responsável pelo estabelecimento, um homem de 45 anos, foi constituído arguido e sujeito a termo de identidade e residência

"O valor estimado da mercadoria apreendida, após a tributação legal, é superior a 23 mil euros", refere um comunicado emitido esta quinta-feira pelo Destacamento de Ação Fiscal do Porto.

Daquele montante, cerca de 21 mil euros corresponderiam a prestação tributária.

O responsável pelo estabelecimento, um homem de 45 anos, foi constituído arguido e sujeito a termo de identidade e residência.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.