GNR apreende 2,3 milhões em material de jogo ilegal em Setúbal e Évora

Estima-se que o valor dos rendimentos ilícitos obtidos seja superior aos 17 milhões de euros

Mais de 2,3 milhões de euros em material de jogo ilegal e apostas ilícitas foram apreendidos pela GNR em Évora e Setúbal, tendo sido constituídos arguidos três pessoas e uma empresa, no âmbito da operação 'E-Aposta'.

Em comunicado hoje divulgado, a GNR adianta que os militares da Unidade de Ação Fiscal apreenderam também 3.568 dispositivos de jogo ilícito do tipo "tômbola", 13 máquinas de jogo do tipo "slot machine" e "poker", 12 dispositivos e respetivas impressoras para apostas desportivas tipo "Placard" e 750 raspadinhas ilícitas.

Os arguidos, um homem e duas mulheres, com idades entre os 30 e os 48 anos, são suspeitos de fraude fiscal qualificada, exploração ilícita de apostas desportivas on-line e de jogos de fortuna e azar.

A GNR estima que o valor dos rendimentos ilícitos obtidos seja superior aos 17 milhões de euros.

A operação foi o culminar de 16 meses de investigação, segundo a GNR, e o inquérito crime é dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação penal do Seixal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.