General demissionário integra órgão de aconselhamento do PR

Marcelo Rebelo de Sousa vai ter no Conselho Superior de Defesa Nacional dois generais em rutura um com o outro: o chefe do Exército e um dos que se demitiram

A crise em curso no Exército agravou-se ontem com a demissão de dois dos seus quatro tenentes-generais por causa de decisões tomadas há uma semana, mas só deverá ficar clarificada com a intervenção do Presidente da República (PR) e do primeiro-ministro, admitiram ontem fontes ouvidas pelo DN.

Marcelo Rebelo de Sousa aceitará ter no Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN), já no próximo dia 21, o chefe do Estado-Maior do Exército (CEME) e um general que se demitiu por "divergências inultrapassáveis" com aquele, pela "[forma] inqualificável" como há uma semana exonerou cinco coronéis? Ambos foram nomeados pelo Chefe do Estado e comandante supremo das Forças Armadas com intervenção do governo, pelo que António Costa também tem uma palavra a dizer, adiantaram.

O PR ainda não comentou as demissões. Mas anteontem reconheceu que a sua atuação face ao ocorrido em Tancos foi "no limite" dos seus poderes - fazendo pressupor agora um perfil de intervenção mais baixo.

O Ministério da Defesa escusou-se a comentar as demissões. Porém, o ministro Azeredo Lopes declarou na sexta-feira que o CEME "não deve em nenhuma circunstância ser demitido" e enalteceu a forma como Rovisco Duarte está a gerir a situação.

A nível partidário, Assunção Cristas (CDS) disse ser tempo de António Costa "pôr ordem na casa"; Catarina Martins (BE) afastou a demissão de Azeredo Lopes a favor de "ter as respostas todas e [...] mudar o que está mal para que não se repita".

O presidente da Associação de Oficiais, tenente-coronel António Mota, afirmou que "as tomadas de posição dos tenentes-generais são absolutamente legítimas e legais, sendo decisões que apenas a eles respeitam".

A demissão de Antunes Calçada como comandante do Pessoal (que acumulava com o cargo de secretário do CSDN) já era dada como certa na quinta-feira, mas o DN não conseguiu confirmar - e ontem ficou a saber-se que vai passar à reserva.

Já o pedido de demissão de Faria Menezes como comandante operacional, sugerida por vários militares desde a morte de instruendos no curso de Comandos e defendida após a falha de segurança em Tancos (onde quatro dos exonerados estavam sob a sua tutela direta), surge envolta em dúvida e intriga: demite-se por discordar do chefe e não passa à reserva? O general não respondeu ao DN.

Por outro lado, com três fontes diferentes a garantir ao DN que o Conselho Superior do Exército de sexta--feira acordou em "dar uma imagem de coesão e unidade" até setembro, quando o vice-CEME passa à reserva, Faria Menezes falou ao Expresso hora e meia após Antunes Calçada - que o Exército confirmou já ter entregue os papéis de exoneração e passagem à reserva - para dizer que ia apresentar amanhã o pedido de exoneração.

Além do vice-CEME, tenente-general Rodrigues da Costa, continua em funções o tenente-general Fernando Serafino, comandante da Logística. Embora com o vice-CEME a acumular agora as funções de Antunes Calçada, que também poderiam ser exercidas pelo segundo-comandante do Pessoal, certo é que em setembro passam a existir três vagas para generais de três estrelas - e pelo meio está o imbróglio da promoção a esse posto do major-general Tiago Vasconcelos, à espera de parecer da PGR.

A descoberta do furto em Tancos já acentuara uma crise iniciada no último ano, primeiro com a demissão do anterior CEME por causa de uma polémica no Colégio Militar - onde se formou Faria Menezes. Acresce que este general e Antunes Calçada são do mesmo curso do CEME, general Rovisco Duarte - que os informou esta semana que não os iria escolher para vice-CEME. Os dois generais que agora se demitiram negaram ao Expresso ter sido essa a causa da sua decisão, enquanto uma alta patente disse ao DN que ela resultou da audição parlamentar do CEME na quinta-feira.

"Estão criadas as condições para se evoluir com a saída de dois generais que desgastavam o chefe por questões de competição", admitiu um oficial na reserva sobre a agitação interna, deixando uma pergunta: "Como pode estar aos tiros com o chefe quem se deixa roubar?" Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."