Gangue de Alfama conhece hoje acórdão

Dezanove suspeitos de integrarem um grupo organizado e conhecido como "gangue de Alfama", acusados de aterrorizar, roubar e agredir moradores, comerciantes e turistas naquele bairro de Lisboa, conhecem hoje o acórdão do julgamento, no Campus da Justiça.

A leitura do acórdão está agendada para as 16:00, na 7.ª Vara Criminal de Lisboa. Fonte judicial adiantou à agência Lusa que "vários arguidos" se encontram em prisão preventiva ao abrigo deste processo.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), o grupo, constituído por jovens, terá cometido dezenas de assaltos e roubos "violentos" a residências, estabelecimentos comerciais, restaurantes e turistas, entre março de 2011 e fevereiro de 2012, causando "grande perturbação da ordem e segurança públicas".

Para o MP, os 19 arguidos "agiriam de forma concertada, levando a cabo diversos ilícitos contra o património de terceiros, mantendo sob terror a população local".

Grande parte dos arguidos residia no bairro de Alfama e, dado o número de elementos do grupo e a forma violenta da sua atuação, "criavam um ambiente de medo na zona", acrescenta a acusação.

O MP sustenta que os arguidos "utilizavam técnicas de imobilização suscetíveis de provocar lesões aos ofendidos", possuindo alguns deles "conhecimentos e técnicas de uma arte marcial".

A atividade criminosa do alegado "gangue de Alfama" terá cessado em março de 2012, após o juiz de instrução criminal ter aplicado a medida de coação de prisão preventiva a seis dos principais arguidos e a prisão domiciliária a outros dois elementos.

Na ocasião, fonte da PSP disse à agência Lusa que alguns dos detidos eram suspeitos da autoria de vários sequestros em que retiravam os cartões multibanco às vítimas, obrigando-as a fornecer o código do cartão para posteriormente levantarem dinheiro em caixas ATM.

Enquanto alguns elementos do grupo procediam aos levantamentos de dinheiro, outros mantinham as vítimas presas "sob ameaças de morte e agressões físicas".

Segundo a PSP, os comerciantes vítimas do grupo eram coagidos a fazer entregas de dinheiro e sujeitos a perseguições, o mesmo acontecendo às suas famílias.

Os suspeitos terão conseguido furtar mais de 11 mil euros em equipamentos eletrónicos (telemóveis e máquinas fotográficas), em tabaco, em bebidas alcoólicas e em dinheiro.

Durante a investigação foram realizadas seis buscas domiciliárias, das quais resultaram a apreensão de vestuário alegadamente utilizado durante os crimes, a réplica de uma pistola, uma pistola de alarme e diverso material eletrónico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.