Requalificação da estação de General Torres termina entre julho e agosto

Obras incluem a criação de elevadores, zona de estacionamento, rampas e acessos para mobilidade reduzida

As obras de requalificação da estação de comboios de General Torres, Vila Nova de Gaia, terminam no final de julho ou início de agosto, num investimento de 480 mil euros, indicou esta segunda-feira a Infraestruturas de Portugal (IP).

A estação fica localizada no centro da cidade de Gaia, distrito do Porto, integrando a linha ferroviária do Norte. Encontra-se em obras desde março, estando em causa a melhoria de acessos e a criação de intermodalidade com o metro e outros transportes públicos.

Esta manhã, de visita à empreitada, o ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, descreveu esta estação como "muito importante" no âmbito de uma linha que vê como "a espinha dorsal da rede ferroviária em Portugal".

"Este é um dia muito importante para nós. Apesar de a obra ter impacto na vida das pessoas - e por isso é que está a ser feita de forma faseada - terá ainda mais impacto qualitativo quando estiver concluída. A plataforma intermodal é importantíssima, bem como a melhoria de passagens, acessos e segurança", disse o governante.

A obra da estação de General Torres é cofinanciada por IP, câmara de Vila Nova de Gaia e empresa Metro do Porto.

Inclui a criação de elevadores, zona de estacionamento, rampas e acessos para mobilidade reduzida.

De acordo com Fernando Leal, da Infraestruturas de Portugal, "a obra está a decorrer como planeado", devendo ficar concluída "no final de julho ou início de agosto".

"É uma obra simples, mas muito útil", referiu Fernando Leal, indo ao encontro da visão do presidente da câmara de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, que frisou que "uma obra aparentemente pequena tem muito significado", destacando as melhorias para quem tem mobilidade reduzida, entre outros aspetos.

"A mobilidade e a qualidade dos transportes são muito importantes. Olhamos com muito empenho para essa área e contamos com o próximo Quadro Comunitário de Apoio", disse Eduardo Vítor Rodrigues que além de autarca em Gaia é líder da Área Metropolitana do Porto.

A obra foi adjudicada ao Consórcio Conduril Engenharia,SA / Pinto & Cruz, SA, pelo valor de 479.208,35 euros - sendo 290 mil euros custeados em partes iguais pela câmara de Gaia e pela Metro do Porto, e o restante pela IP. O prazo de execução é de 150 dias.

A intervenção prevê a instalação de escadas convencionais para acesso direto entre as plataformas de passageiros e a rua de Jau, bem como de dois elevadores, servindo ambas as plataformas e os dois pisos do parque de estacionamento.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.