Requalificação da estação de General Torres termina entre julho e agosto

Obras incluem a criação de elevadores, zona de estacionamento, rampas e acessos para mobilidade reduzida

As obras de requalificação da estação de comboios de General Torres, Vila Nova de Gaia, terminam no final de julho ou início de agosto, num investimento de 480 mil euros, indicou esta segunda-feira a Infraestruturas de Portugal (IP).

A estação fica localizada no centro da cidade de Gaia, distrito do Porto, integrando a linha ferroviária do Norte. Encontra-se em obras desde março, estando em causa a melhoria de acessos e a criação de intermodalidade com o metro e outros transportes públicos.

Esta manhã, de visita à empreitada, o ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, descreveu esta estação como "muito importante" no âmbito de uma linha que vê como "a espinha dorsal da rede ferroviária em Portugal".

"Este é um dia muito importante para nós. Apesar de a obra ter impacto na vida das pessoas - e por isso é que está a ser feita de forma faseada - terá ainda mais impacto qualitativo quando estiver concluída. A plataforma intermodal é importantíssima, bem como a melhoria de passagens, acessos e segurança", disse o governante.

A obra da estação de General Torres é cofinanciada por IP, câmara de Vila Nova de Gaia e empresa Metro do Porto.

Inclui a criação de elevadores, zona de estacionamento, rampas e acessos para mobilidade reduzida.

De acordo com Fernando Leal, da Infraestruturas de Portugal, "a obra está a decorrer como planeado", devendo ficar concluída "no final de julho ou início de agosto".

"É uma obra simples, mas muito útil", referiu Fernando Leal, indo ao encontro da visão do presidente da câmara de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, que frisou que "uma obra aparentemente pequena tem muito significado", destacando as melhorias para quem tem mobilidade reduzida, entre outros aspetos.

"A mobilidade e a qualidade dos transportes são muito importantes. Olhamos com muito empenho para essa área e contamos com o próximo Quadro Comunitário de Apoio", disse Eduardo Vítor Rodrigues que além de autarca em Gaia é líder da Área Metropolitana do Porto.

A obra foi adjudicada ao Consórcio Conduril Engenharia,SA / Pinto & Cruz, SA, pelo valor de 479.208,35 euros - sendo 290 mil euros custeados em partes iguais pela câmara de Gaia e pela Metro do Porto, e o restante pela IP. O prazo de execução é de 150 dias.

A intervenção prevê a instalação de escadas convencionais para acesso direto entre as plataformas de passageiros e a rua de Jau, bem como de dois elevadores, servindo ambas as plataformas e os dois pisos do parque de estacionamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.