Sobe para 52 número de portugueses a retirar das Caraíbas

Nos últimos dias, o gabinete de emergência consular recebeu por telefone cerca de 1.200 pedidos de informação, de procura de familiares e de apoio ao regresso

José Luís Carneiro, secretário de Estado revelou à Lusa que, nas últimas horas, subiu de 30 para 52 o número de portugueses "que pediram ajuda" e que o Estado vai retirar daquelas duas ilhas nas Caraíbas, numa embarcação fretada, em direção à ilha de Guadalupe, de onde os nacionais viajarão, num avião C-130, para Portugal.

Segundo o responsável, são 46 emigrantes residentes em 'St. Barths' e seis em Saint-Martin.

O governante tinha adiantado, cerca das 20:00 de domingo, que 28 portugueses tinham manifestado intenção de sair de Saint-Barthélemy e dois de Saint-Martin.

Da ilha de Guadalupe está prevista a saída, ainda esta segunda-feira se as condições atmosféricas o permitirem, de um grupo de 15 portugueses a bordo de um avião francês, em direção de Paris, de onde prosseguirão depois viagem para Portugal.

Também este número subiu em relação aos 12 portugueses mencionados anteriormente pelo secretário de Estado.

O Governo espera ainda que este número continue a aumentar.

"É natural que à medida que as notícias vão surgindo e à medida que se confirma a decisão de retirada dos portugueses destas ilhas, a palavra vá passando e outros possam, entretanto, ainda surgir", comentou José Luís Carneiro.

"Nos últimos dias, o gabinete de emergência consular recebeu por telefone, e-mail e por via da intervenção do consulado-geral em Paris e do consulado honorário em Palm Coast e ainda das embaixadas de Havana, México e Washington, cerca de 1.200 pedidos de informação, de procura de familiares e de apoio ao regresso", referiu.

Até cerca das 23:00 de Lisboa, as autoridades nacionais conseguiram falar com 205 portugueses: 114 na ilha de Saint-Barthélemy; 29 em Saint-Martin; 18 em Guadalupe; 34 em Miami e Key West e dez em Havana e Varadero.

O Governo recomenda que os portugueses encaminhem os seus pedidos para os consulados ou para o gabinete de emergência consular (através dos números de telefone 21 792 97 14 ou 961 706 472 ou do endereço gec@mne.pt) e também descarreguem para os dispositivos móveis a plataforma gratuita Registo Viajante, que permite acionar pedidos de apoio e receber informação.

O furacão Irma, que alcançou terra na costa oeste da Florida no domingo à tarde, baixou para categoria 1, numa escala de cinco, anunciou o centro americano de furacões.

O furacão já causou três mortos no estado da Florida, depois de ter deixado um rasto de destruição e de ter provocado cerca de 30 mortes, na sua passagem pelo Caraíbas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?