Sobe para 52 número de portugueses a retirar das Caraíbas

Nos últimos dias, o gabinete de emergência consular recebeu por telefone cerca de 1.200 pedidos de informação, de procura de familiares e de apoio ao regresso

José Luís Carneiro, secretário de Estado revelou à Lusa que, nas últimas horas, subiu de 30 para 52 o número de portugueses "que pediram ajuda" e que o Estado vai retirar daquelas duas ilhas nas Caraíbas, numa embarcação fretada, em direção à ilha de Guadalupe, de onde os nacionais viajarão, num avião C-130, para Portugal.

Segundo o responsável, são 46 emigrantes residentes em 'St. Barths' e seis em Saint-Martin.

O governante tinha adiantado, cerca das 20:00 de domingo, que 28 portugueses tinham manifestado intenção de sair de Saint-Barthélemy e dois de Saint-Martin.

Da ilha de Guadalupe está prevista a saída, ainda esta segunda-feira se as condições atmosféricas o permitirem, de um grupo de 15 portugueses a bordo de um avião francês, em direção de Paris, de onde prosseguirão depois viagem para Portugal.

Também este número subiu em relação aos 12 portugueses mencionados anteriormente pelo secretário de Estado.

O Governo espera ainda que este número continue a aumentar.

"É natural que à medida que as notícias vão surgindo e à medida que se confirma a decisão de retirada dos portugueses destas ilhas, a palavra vá passando e outros possam, entretanto, ainda surgir", comentou José Luís Carneiro.

"Nos últimos dias, o gabinete de emergência consular recebeu por telefone, e-mail e por via da intervenção do consulado-geral em Paris e do consulado honorário em Palm Coast e ainda das embaixadas de Havana, México e Washington, cerca de 1.200 pedidos de informação, de procura de familiares e de apoio ao regresso", referiu.

Até cerca das 23:00 de Lisboa, as autoridades nacionais conseguiram falar com 205 portugueses: 114 na ilha de Saint-Barthélemy; 29 em Saint-Martin; 18 em Guadalupe; 34 em Miami e Key West e dez em Havana e Varadero.

O Governo recomenda que os portugueses encaminhem os seus pedidos para os consulados ou para o gabinete de emergência consular (através dos números de telefone 21 792 97 14 ou 961 706 472 ou do endereço gec@mne.pt) e também descarreguem para os dispositivos móveis a plataforma gratuita Registo Viajante, que permite acionar pedidos de apoio e receber informação.

O furacão Irma, que alcançou terra na costa oeste da Florida no domingo à tarde, baixou para categoria 1, numa escala de cinco, anunciou o centro americano de furacões.

O furacão já causou três mortos no estado da Florida, depois de ter deixado um rasto de destruição e de ter provocado cerca de 30 mortes, na sua passagem pelo Caraíbas.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.