70 portugueses repatriados chegam esta quinta-feira a Figo Maduro

Dos cidadãos que são agora repatriados, 65 residem na ilha de Saint-Barthélemy e os restantes cinco em Saint-Martin

Os 70 cidadãos afetados pelo furacão Irma nas Caraíbas e que estão a ser repatriados pelo Governo português devem chegar esta quinta-feira ao final da tarde ao aeroporto militar de Figo Maduro, disse à Lusa o secretário de Estado das Comunidades.

Os emigrantes, residentes nas ilhas de Saint-Barthélemy e Saint-Martin, partiram na quarta-feira ao final da tarde da ilha de Guadalupe a bordo de um avião C-130, acompanhados pelo diretor-geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas, Júlio Vilela, adiantou à Lusa o governante, José Luís Carneiro, que se deslocou àquela região.

No avião viajam um total de 70 pessoas, das quais 20 crianças, a grande maioria portugueses, mas também um cidadão romeno e uma brasileira.

Dos cidadãos que são agora repatriados, 65 residem na ilha de Saint-Barthélemy ('Saint-Barths') e os restantes cinco em Saint-Martin.

A viagem incluiu uma escala em Belém, no Brasil, durante a madrugada, e outra na ilha do Sal, em Cabo Verde, onde chegaram ao início da tarde desta quinta-feira, prosseguindo depois em direção a Lisboa.

"O embaixador Júlio Vilela disse-me que as pessoas estavam muito bem-dispostas, a cantar o hino nacional e a dar vivas a Portugal", relatou Carneiro.

No aeroporto de Figo Maduro, estarão à espera dos portugueses autocarros enviados pelos municípios de origem, a grande maioria do norte do país, que os levarão para as localidades respetivas.

O secretário de Estado referiu que os voos comerciais estão a ser restabelecidos nas Caraíbas, pelo que "as pessoas já têm condições para circular", terminando assim a operação de evacuação realizada pelo Governo no âmbito de "uma situação de emergência" causada pela passagem do furacão Irma na região.

José Luís Carneiro, que se encontrava de manhã na ilha de Guadalupe, espera viajar ainda esta quinta-feira para Saint-Barths, onde reside o maior número de cidadãos nacionais, cerca de dois mil, e que foi muito afetada pela tempestade.

Segundo a contagem da agência Associated Press, o Irma fez 37 mortos nas Caraíbas, 13 na Florida, quatro na Carolina do Sul e dois na Geórgia, o que perfaz um total provisório de 56 mortos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.