Funcionário da Câmara de Olhão detido por suspeita de corrupção

Técnico superior da secção de obras pediria dinheiro a troco de pareceres técnicos contrários à lei

O Ministério Público anunciou hoje a detenção de um técnico superior da secção de obras particulares da Câmara de Olhão por suspeitas da prática do crime de corrupção passiva.

Em comunicado, a Procuradoria da Comarca de Faro adiantou que existem "suspeitas de o detido, na sua qualidade de funcionário público autárquico, ter solicitado quantias monetárias a particulares para pareceres técnicos contrários à lei mas favoráveis ao licenciamento de obras".

Esta já é a segunda vez, nos últimos dois anos, que se procedem a detenções de funcionários da secção de obras daquele município algarvio, depois de em 2016 terem sido detidas duas fiscais de obras por suspeitas do mesmo crime.

No âmbito da investigação, foram realizadas no dia de hoje buscas domiciliária e ao local de trabalho do arguido, na câmara municipal, adiantou o comunicado publicado no sítio de Internet do Ministério Público de Faro.

O detido será agora apresentado, no prazo de 48 horas, ao juiz de instrução criminal de Faro para realização de primeiro interrogatório judicial e para aplicação de eventuais medidas de coação.

O Ministério Público é coadjuvado na investigação pela Diretoria do Sul da Polícia Judiciária, estando o inquérito submetido a segredo de justiça.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."