Fraudes com medicamentos levam ADSE a apresentar queixa na PGR

A sobrefaturação de medicamentos é uma das anormalidades e há mesmo casos de medicamentos de marca que são debitados à ADSE quando na realidade foram administrados genéricos aos doentes.

A ADSE vai denunciar novos casos de fraudes nos hospitais públicos com o subsistema de saúde dos funcionários públicos à Procuradoria-Geral da República.

De acordo com o Jornal Económico, a sobrefaturação de medicamentos é uma das anormalidades e há mesmo casos de medicamentos de marca que são debitados à ADSE quando na realidade foram administrados genéricos aos doentes, segundo dados de auditorias feitas recentemente.

A ADSE quer colocar um travão para preços dos medicamentos, definindo um limite pelo fármaco faturado em unidose, que tenha como preço máximo o PVP do medicamento acrescido de uma percentagem de 40%, não podendo a margem superar os 50 euros.

O presidente do conselho diretivo da ADSE, Carlos Liberato Baptista, disse ao jornal que, em breve, vão seguir para o Ministério Público novas comunicações de fraude.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...