Fraudes com medicamentos levam ADSE a apresentar queixa na PGR

A sobrefaturação de medicamentos é uma das anormalidades e há mesmo casos de medicamentos de marca que são debitados à ADSE quando na realidade foram administrados genéricos aos doentes.

A ADSE vai denunciar novos casos de fraudes nos hospitais públicos com o subsistema de saúde dos funcionários públicos à Procuradoria-Geral da República.

De acordo com o Jornal Económico, a sobrefaturação de medicamentos é uma das anormalidades e há mesmo casos de medicamentos de marca que são debitados à ADSE quando na realidade foram administrados genéricos aos doentes, segundo dados de auditorias feitas recentemente.

A ADSE quer colocar um travão para preços dos medicamentos, definindo um limite pelo fármaco faturado em unidose, que tenha como preço máximo o PVP do medicamento acrescido de uma percentagem de 40%, não podendo a margem superar os 50 euros.

O presidente do conselho diretivo da ADSE, Carlos Liberato Baptista, disse ao jornal que, em breve, vão seguir para o Ministério Público novas comunicações de fraude.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.