Francisco Assis fora das listas. "Não é nada disso que me move."

"Estou absolutamente convencido de que tenho razão na avaliação que faço e, por isso, tenho obrigação de o dizer", explicou o crítico de Costa

Francisco Assis confirmou este sábado de manhã que não integrará nenhuma lista no Congresso do PS. À chegada à FIL, o eurodeputado socialista, que tem sido muito crítico da solução governativa encontrada por António Costa, recusou que seja isso que o move.

"Não, obviamente, que não vou [integrar listas]. Tenho muito respeito e amizade pelo Daniel Adrião [o adversário de Costa], mas o que ele pensa e o que eu penso não tem nada a ver uma coisa com outra. Não vou participar em nada em termos de listas. Não é nada disso que me move. Quero apenas exprimir-me. É uma obrigação que tenho e que cumpro com alegria. É sempre bom reencontrar a minha família política mesmo quando não convergimos em questões importantes", justificou-se.

"Tenho as minhas convicções, a obrigação de me bater por elas. Não costumo olhar para o lado nem para trás em certo momentos da minha vida para ver se estou muito ou pouco acompanhado. A solidão política é um preço que, por vezes, temos de pagar e temos de o saber pagar. Tenho convicções muito fortes em relação a esta questão", apontou Assis.

Assis reconheceu que é difícil valer os seus pontos de vista neste momento. "É natural que, estando o partido no Governo, haja uma certa unidade em torno desta solução governativa, compreendo isso. Estou absolutamente convencido de que tenho razão na avaliação que faço e, por isso, tenho obrigação de o dizer até porque tenho um passado de intervenção política e de representação do PS", recordando a sua passagem pela liderança parlamentar e o trabalho como deputado, eurodeputado e autarca.

O 21.º Congresso do PS tem um sistema inédito de inscrições para os delegados falarem. Francisco Assis é o 41.º a intervir.

Notícia atualizada às 13.10 com a informação da ordem de intervenção de Assis.

Exclusivos