França tem novo monumento ao Corpo Expedicionário Português

Homenagem aos portugueses enviados para a Flandres na Grande Guerra teve lugar no município de Beausoleil, sul de França.

O secretário de Estado das Comunidades participou esta sexta-feira na inauguração do Memorial Português no cemitério de Beausoleil, em memória dos soldados portugueses que combateram em França na I Guerra Mundial.

A cerimónia decorreu no âmbito das comemorações do centenário da Grande Guerra, onde grande parte do Corpo Expedicionário Português (CEP) sofreu pesadas baixas durante a batalha de La Lys (9 de abril de 1918).

"Esta batalha constituiu o momento mais dramático e mortal da participação do CEP na Grande Guerra", com "centenas de soldados portugueses mortos em combate e milhares ficaram feridos e foram feitos prisioneiros", referiu José Luís Carneiro, numa cerimónia onde também foi inaugurada uma exposição alusiva a essa participação.

Em português e dirigindo-se aos membros da comunidade lusa radicados na Provence-Alpes-Côte d'Azur, José Luís Carneiro saudou o seu contributo "para o desenvolvimento económico e social" dessa região junto ao Mediterrâneo e como, continuam a "prestigiar Portugal em França" pela forma como estão integrados e são respeitados.

O governante português (já em francês) exprimiu ainda ao presidente da câmara local, Gérard Spinelli, o "profundo agradecimento" das autoridades portuguesas por homenagear o CEMP num local muito distante dos campos de batalha da Flandres.

Presentes na cerimónia estiveram ainda o embaixador de Portugal em França, Jorge Torres Pereira, e os cônsules em Marselha, Pedro Marinho da Costa, e em Nice, Joaquim Pires.

Nesta visita oficial ao sul de França, que inclui a ida à Córsega, José Luís Carneiro inaugura sábado a cátedra Eduardo Lourenço - professor e filósofo português há muito radicado em França - na Universidade de Aix-Marselha, em Aix-en-Provence.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.