Forte elogio de Merkel a Passos no encontro com António Costa

Sobre o OE de 2016, Costa quase nada disse: "Não vim aqui incomodar a senhora Merkel com o orçamento português"

Ao lado do atual primeiro-ministro português, numa conferência de imprensa em Berlim, a chanceler alemã não esqueceu Passos Coelho. "O antecessor de António Costa conseguiu coisas impressionantes", disse Angela Merkel à imprensa, depois de um almoço com António Costa na sede do governo alemão.

"Os últimos anos em Portugal não foram fáceis. Mas foram bem-sucedidos", prosseguiu a chanceler, dizendo ainda que importa "continuar o caminho bem-sucedido", mas agora com "mais investimento e mais emprego".

Tem que se fazer tudo para continuar este caminho bem sucedido

Questionada sobre o esboço do Orçamento do Estado para 2016, que hoje é entregue ao parlamento e analisado pela Comissão Europeia, Merkel notou que todos os países têm os seus orçamentos avaliados e sublinhou que o mais importante é que "os números básicos sejam mantidos".

O primeiro-ministro português procurou, pelo seu lado, insistir na temática que tinha definido como central neste seu primeiro encontro com a chanceler: dizer à Alemanha que Portugal está disponível para ajudar na questão dos refugiados.

Sobre OE 2016 quase nada disse: "Não vim aqui incomodar a senhora Merkel com o orçamento português porque ela já tem que se preocupar com o seu próprio orçamento."

[Apresentámos um orçamento responsável, que visa criar condições para o crescimento e emprego, para uma maior proteção social]

Sobre os refugiados, Costa insistiu que "Portugal quer ser parte ativa na solução do problema". E está disposto a ajudar a Alemanha porque "é muito injusto que se julgue que a senhora Merkel tem uma responsabilidade superior" à dos outros países da UE. O problema dos refugiados deve ser resolvido como "um dever da Europa toda".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.